segunda-feira, 3 de março de 2008

O SHOW TEM QUE CONTINUAR – ALMOCE COM SEU ALGOZ



Laerte Braga

Está marcada para março em Cartagena, na Colômbia, a Cúpula da União de Nações Sul-Americanas (Unasur). O presidente da Venezuela Hugo Chávez declarou que não vai participar de um show montado pelo “subimperialista mafioso” Álvaro Uribe depois dos acontecimentos de sábado, quando as forças armadas colombianas invadiram território equatoriano e assassinaram o chanceler das FARCs Raúl Reyes. Reyes estava participando de negociações para a libertação de prisioneiros de guerra, inclusive um equatoriano e a ex-senadora Ingrid Betancourt.

Monitorado por satélites militares dos EUA, que passaram a posição de Reyes e seus 17 companheiros, os militares colombianos criaram um estado de guerra envolvendo o Equador e a Venezuela, dentro dos objetivos norte-americanos de derrubar governos hostis a seus interesses (Chávez principalmente) e arrastam países como o Brasil ao centro do conflito. Miram num alvo e acertam ao mesmo tempo em vários outros.

Um estudo das Nações Unidas feito na década de 70 no século passado, alerta para os riscos de confrontos militares futuros na América do Sul por uma série de razões, todas elas ligadas a interesses das grandes potências (à época Estados Unidos e União Soviética). Esses confrontos visariam desde o controle da Amazônia (a maior parte está em território brasileiro), à posse do petróleo venezuelano e das reservas subterrâneas de água doce no Sul do Brasil, o Aquífero Guarani, o quinto maior do mundo.

Os cinquenta anos de guerra civil na Colômbia e o fim da União Soviética trouxeram para o centro do palco a absoluta hegemonia dos Estados Unidos numa região que consideram quintal, a América Latina.

A eleição de presidentes de esquerda e centro esquerda em países como o Brasil, o Uruguai, o Chile, a Bolívia e o Equador e independentes como Cristina Kirchner na Argentina, além da presença de Cuba transformaram a Colômbia em centro de operações dos EUA para neutralizar a crescente independência dos países da Região em relação a matriz.

Álvaro Uribe foi eleito presidente da Colômbia com apoio ostensivo do narcotráfico e de grupos paramilitares (ligados aos traficantes), reeleito e ao contrário do seu antecessor Pastraña que procurou negociar a paz com as duas forças guerrilheiras que operam no país (controlam mais de 51% do território da Colômbia), intensificou as operações militares, os assassinatos de adversários políticos e líderes sindicais de oposição na chamada esfera institucional, criando um clima de terror e violência e propiciando a lenta e constante ocupação do seu país por forças militares norte-americanas.

O presidente Bush, principal líder terrorista em ação no mundo, transformou a Colômbia em um dos centros das chamadas “operações sujas” (caso do Paquistão na Ásia e de Israel no Oriente Médio).

O ataque terrorista feito em território do Equador e que matou Reyes foi planejado e decidido em Washington como forma de criar um clima de tensão que justifique outras operações maiores, intensifique as ações contra o governo Chávez (a convicção dos EUA é que derrubando Chávez interrompem o ciclo de vitórias eleitorais das esquerdas nesta parte do mundo).

As declarações de figuras do governo da Colômbia que alguns computadores que estariam em poder dos guerrilheiros foram apreendidos e “comprovam” ligações do governo do Equador com a guerrilha, especificamente as FARCs, reproduzem um procedimento típico dos norte-americanos em outras situações análogas, a mais recente delas as tais armas químicas e biológicas e o arsenal nuclear que Saddam Hussein nunca teve, até porque, quando teve armas químicas e biológicas elas foram fornecidas pelos EUA para atacar o regime iraniano numa guerra insensata e que matou centenas de milhares de pessoas.

Há todo um teatro armado pelos governos dos Estados Unidos e da Colômbia e nessa medida a declaração do presidente do Brasil que é “hora da diplomacia” joga uma ducha de água fria nos ímpetos provocativos do presidente Uribe, fac totum de Bush e soa como “hora de esvaziar uma crise provocada de forma deliberada” e assim evitar o pior.

O Brasil é a peça mais importante nesse jogo estúpido e inconsequente de Uribe e Bush. Lula percebeu o alcance da manobra terrorista dos dois governantes.

A história dos computadores apreendidos comprova dois fatos irrespondíveis pelo governo narcotraficante da Colômbia. O primeiro deles que tropas colombianas em terra invadiram o território do Equador, logo após o bombardeio aéreo do local onde estavam Reyes e seus companheiros, para não deixar provas e evitar que os corpos fossem recuperados pelo governo equatoriano e não pudessem vir a ser apresentados como troféu em Bogotá. A segunda é que milagrosamente tudo foi destruído menos os computadores.

Uribe e Bush apressaram as práticas para forçar conflitos imediatos e criar condições de terror para a derrubada de Chávez, sabendo que a morte de Reyes é um duro golpe para a guerrilha, mas não muda a correlação de forças e nem diminui o poder de fogo desse exército rebelde, mesmo que todo o complexo de mídia a serviço do terrorismo, caso da GLOBO no Brasil, tente informar e criar a sensação que é assim, como desejam Washington e Bogotá.

As negociações para a paz e a disposição manifesta das FARCs e do ELN, as forças insurgentes na Colômbia, contrariam os interesses dos grupos terroristas que governam o País e fazem do narcotráfico e da violência o principal instrumento de ação e contrariam muito mais quando a libertação de prisioneiros de guerra vem pelas mãos do presidente da Venezuela Hugo Chávez.

O que complica para os terroristas da Casa Branca e de Bogotá é que governos europeus, o da França principalmente, estão pressionados pela opinião pública de seus países para dar apoio às negociações e obter a libertação de prisoneiros de guerra. A GLOBO não mostra, mas há uma constante mobilização de setores da sociedade francesa, passeatas e campanhas, a favor das conversações desenvolvidas por Chávez para libertar Ingrid Betancourt.

E hoje o alto comando (Secretariado) das FARCs já distribuiu nota oficial afirmando que a ação criminosa do governo central da Colômbia não vai afetar a disposição nem de paz e nem de luta e que a vontade de negociar a troca de prisioneiros vai continuar com ações unilaterais da guerrilha.

A movimentação de tropas do Equador e da Venezuela para suas respectivas fronteiras com a Colômbia é medida natural e necessária para garantir a soberania e a integridade de seus territórios diante do desvario terrorista de Uribe. Mesmo porque, seguindo suas tradicionais políticas de potência imperial e imperialista, o governo dos EUA tenta comprar generais e oficiais venezuelanos como fez com generais de Saddam e do Paquistão e em vários outros lugares, aqui mesmo, à época das ditaduras militares, com Pinochet, os generais argentinos e brasileiros, intervindo de forma descarada nesses países e impondo regimes à feição de seus interesses.

Se houver um mínimo de bom senso e lucidez em qualquer análise os fatos recentes no Brasil mostram que essa política de intervenção se torna cada vez mais agressiva. A ocupação da Amazônia por seitas religiosas montadas pela CIA (Agência Central de Inteligência dos EUA), cumplicidade com empresários e latifundiários brasileiros alojados em partidos políticos, no Congresso e no Judiciário (tucanos e DEMocratas principalmente). O roubo de informações sigilosas da PETROBRAS sobre as novas descobertas que tornam o Brasil um grande produtor mundial de petróleo, no nivel dos maiores produtores.

Toda uma série de falsas crises produzidas no epicentro das bases terroristas no Brasil (FIESP/DASLU/GLOBO/FOLHA DE SÃO PAULO/VEJA/PSDB) visando desestabilizar e enfraquecer o governo Lula, enfim, o que eles próprios procuram desacreditar com o rótulo de “teoria da conspiração”, mas que, curiosamente, os próprios norte-americanos, através de Hollywood provaram existir.

A história das intervenções norte-americanas em vários países do mundo, das guerras provocadas sob falsos pretextos para justificar ocupação e saque de países, como agora no Iraque, se repete sem variações maiores, sem a preocupação de disfarçar, apenas de massacrar.

Não é diferente agora.

O criminólogo e psicólogo Nils Bejerot ajudou a Polícia de Estocolmo a resolver um assalto na capital sueca e cunhou ali a expressão “síndrome de Estocolmo”, que justifica a atração diante de condições de fragilidade de vítimas diante de algozes.

A expressão inicialmente se aplicava a pessoas sequestradas e ao longo dos anos foi ganhando um conceito mais amplo e adotada por psiquiatras, psicólogos em todo o mundo. Desenvolve-se tanto nas vítimas de sequestros, como em cenários de guerra, em sobreviventes de campos de concentração, pessoas submetidas a pressões familiares e externas (de trabalho – relação patrão/empregado), crianças submetidas a maus tratos, violência (nas suas várias formas) doméstica e familiar.

É parte do processo terrorista de criar e infundir o medo, o pânico e é isso que a mídia faz entre nós, nos países latino-americanos de um modo geral, vamos ficar por aqui. Tanto no aspecto coletivo como no individual. Um país inteiro fica acuado com as falsas informações deturpando a realidade, como um ser, uma pessoa, se deixa acuar pelo medo inexplicável de situações assim.

Você tanto pode ser prisioneiro desse medo em relação a um pandemônio internacional de barbárie como esse criado pelo governo terrorista da Colômbia, como pode ser rotulada com os piores epítetos possíveis e depois ir almoçar com seu algoz, seu carrasco, supondo que um simples gesto de carinho ou afeto modifiquem a situação, impliquem em sobreviver na triste realidade que lhe domina a partir do medo.

É o que fazem, além de assassinar adversários que contrariam seus interesses. Tanto apresentam Raúl Reyes como “terrorista”, ou matam e massacram palestinos indefesos, como transformam você em robô no terror do medo criado e implantado entre o estalar do chicote e a suposta bondade em luzes natalinas e cristãs.

Aí você começa a acreditar que Chávez é o demônio e o patrão ou chefe ao seu lado é o anjo. Não percebe que é apenas uma bola de jogo de sinuca aterrorizada no medo que não explica e nem justifica, só medo, de uma realidade que só existe porque é aceita.

Não dá para disfarçar. Uribe e Bush são terroristas no sentido lato e absoluto da palavra. O cara ao seu lado é apenas o seu algoz que acha que você é um ser objeto que pode ser manipulado ao bel prazer dele e faz assim.

A GLOBO e a grande mídia fazem isso e aplicam a fórmula ao que Bonner chamou de “Homer Simpson”.

Há quem faça e quem deixe fazer.

A hora é de luta. É de luta pela sobrevivência do mínimo de dignidade do ser e de nações inteiras ameçadas pela violência de um mundo irreal que transformam em real.

Um desafio. Veja os links abaixo e perceba que para gente como Bush, Uribe, os governantes de Israel eu, você, nossos filhos, todos somos apenas as vítimas desse terrorismo glamourizado por redes de tevê como a GLOBO, jornais como a FOLHA e revistas que dão a fórmula para se ter a bunda das cariocas ou o corpo malhado e atraente dos grandes conquistadores.

Vendem o modelo terrorista que nos transforma em objetos a serem encaçapados nas sedes suntuosas das arapucas onde o medo faz do ser um nada. Ou como no Japão – “robôs, do imaginário a realidade.”

Muitos dos vídeos foram feitos por amadores que presenciaram os fatos e estão todos disponíveis no Youtube.

É de fato quem faz e quem deixa.

http://www.youtube.com/watch?v=u8qAbgPCfak&eurl=http://www.orkut.com/FavoriteVideos.aspx?uid=14353373109359112601

http://www.youtube.com/watch?v=rNC9dDCY5Pw&eurl=http://www.orkut.com/FavoriteVideos.aspx?uid=14353373109359112601

Imagine by George Bush

http://video.google.com/videoplay?docid=-1269299404143213531

Torture - Many months after Saddam Hussein's government was toppled and its torture chambers unlocked, Iraqis are again being routinely beaten, hung by their wrists and shocked with electrical wires. This is why Iraqis hate US!!!
Esta sequencia de videos 9 os 5 abaixos) busquei no Orkut do amigo parceiro Euryale Galvão. Imperdiveis

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por que Zurdo?

O nome do blog foi inspirado no filme Zurdo de Carlos Salcés, uma película mexicana extraordinária.


Zurdo em espanhol que dizer: esquerda, mão esquerda.
E este blog significa uma postura alternativa as oficiais, as institucionais. Aqui postaremos diversos assuntos como política, cultura, história, filosofia, humor... relacionadas a realidades sem tergiversações como é costume na mídia tradicional.
Teremos uma postura radical diante dos fatos procurando estimular o pensamento crítico. Além da opinião, elabora-se a realidade desvendando os verdadeiros interesses que estão em disputa na sociedade.

Vos abraço com todo o fervor revolucionário

Raoul José Pinto



ZZ - ESTUDAR SEMPRE

  • A Condição Pós-Moderna - DAVID HARVEY
  • A Condição Pós-Moderna - Jean-François Lyotard
  • A era do capital - HOBSBAWM, E. J
  • Antonio Gramsci – vida e obra de um comunista revolucionário
  • Apuntes Criticos A La Economia Politica - Ernesto Che Guevara
  • As armas de ontem, por Max Marambio,
  • BOLÍVIA jakaskiwa - Mariléia M. Leal Caruso e Raimundo C. Caruso
  • Cultura de Consumo e Pós-Modernismo - Mike Featherstone
  • Dissidentes ou mercenários? Objetivo: liquidar a Revolução Cubana - Hernando Calvo Ospina e Katlijn Declercq
  • Ensaios sobre consciência e emancipação - Mauro Iasi
  • Esquerdas e Esquerdismo - Da Primeira Internacional a Porto Alegre - Octavio Rodríguez Araujo
  • Fenomenologia do Espírito. Autor:. Georg Wilhelm Friedrich Hegel
  • Fidel Castro: biografia a duas vozes - Ignacio Ramonet
  • Haciendo posible lo imposible — La Izquierda en el umbral del siglo XXI - Marta Harnecker
  • Hegemonias e Emancipações no século XXI - Emir Sader Ana Esther Ceceña Jaime Caycedo Jaime Estay Berenice Ramírez Armando Bartra Raúl Ornelas José María Gómez Edgardo Lande
  • HISTÓRIA COMO HISTÓRIA DA LIBERDADE - Benedetto Croce
  • Individualismo e Cultura - Gilberto Velho
  • Lênin e a Revolução, por Jean Salem
  • O Anti-Édipo — Capitalismo e Esquizofrenia Gilles Deleuze Félix Guattari
  • O Demônio da Teoria: Literatura e Senso Comum - Antoine Compagnon
  • O Marxismo de Che e o Socialismo no Século XXI - Carlos Tablada
  • O MST e a Constituição. Um sujeito histórico na luta pela reforma agrária no Brasil - Delze dos Santos Laureano
  • Os 10 Dias Que Abalaram o Mundo - JOHN REED
  • Para Ler O Pato Donald - Ariel Dorfman - Armand Mattelart.
  • Pós-Modernismo - A Lógica Cultural do Capitalismo Tardio - Frederic Jameson
  • Questões territoriais na América Latina - Amalia Inés Geraiges de Lemos, Mónica Arroyo e María Laura Silveira
  • Simulacro e Poder - uma análise da mídia, de Marilena Chauí (Editora Perseu Abramo, 142 páginas)
  • Soberania e autodeterminação – a luta na ONU. Discursos históricos - Che, Allende, Arafat e Chávez
  • Um homem, um povo - Marta Harnecker

zz - Estudar Sempre/CLÁSSICOS DA HISTÓRIA, FILOSOFIA E ECONOMIA POLÍTICA

  • A Doença Infantil do Esquerdismo no Comunismo - Lênin
  • A História me absolverá - Fidel Castro Ruz
  • A ideologia alemã - Karl Marx e Friedrich Engels
  • A República 'Comunista' Cristã dos Guaranis (1610-1768) - Clóvis Lugon
  • A Revolução antes da Revolução. As guerras camponesas na Alemanha. Revolução e contra-revolução na Alemanha - Friedrich Engels
  • A Revolução antes da Revolução. As lutas de classes na França - de 1848 a 1850. O 18 Brumário de Luis Bonaparte. A Guerra Civil na França - Karl Marx
  • A Revolução Burguesa no Brasil - Florestan Fernandes
  • A Revolução Proletária e o Renegado Kautsky - Lênin
  • A sagrada família - Karl Marx e Friedrich Engels
  • Antígona, de Sófocles
  • As tarefas revolucionárias da juventude - Lenin, Fidel e Frei Betto
  • As três fontes - V. I. Lenin
  • CASA-GRANDE & senzala - Gilberto Freyre
  • Crítica Eurocomunismo - Ernest Mandel
  • Dialética do Concreto - KOSIK, Karel
  • Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico - Friedrich Engels
  • Do sonho às coisas - José Carlos Mariátegui
  • Ensaios Sobre a Revolução Chilena - Manuel Castells, Ruy Mauro Marini e/ou Carlos altamiro
  • Estratégia Operária e Neocapitalismo - André Gorz
  • Eurocomunismo e Estado - Santiago Carrillo
  • Fenomenologia da Percepção - MERLEAU-PONTY, Maurice
  • História do socialismo e das lutas sociais - Max Beer
  • Manifesto do Partido Comunista - Karl Marx e Friedrich Engels
  • MANUAL DE ESTRATÉGIA SUBVERSIVA - Vo Nguyen Giap
  • MANUAL DE MARXISMO-LENINISMO - OTTO KUUSINEN
  • Manuscritos econômico filosóficos - MARX, Karl
  • Mensagem do Comitê Central à Liga dosComunistas - Karl Marx e Friedrich Engels
  • Minima Moralia - Theodor Wiesengrund Adorno
  • O Ano I da Revolução Russa - Victor Serge
  • O Caminho do Poder - Karl Kautsky
  • O Marxismo e o Estado - Norberto Bobbio e outros
  • O Que Todo Revolucionário Deve Saber Sobre a Repressão - Victo Serge
  • Orestéia, de Ésquilo
  • Os irredutíveis - Daniel Bensaïd
  • Que Fazer? - Lênin
  • Raízes do Brasil - Sérgio Buarque de Holanda
  • Reforma ou Revolução - Rosa Luxemburgo
  • Revolução Mexicana - antecedentes, desenvolvimento, conseqüências - Rodolfo Bórquez Bustos, Rafael Alarcón Medina, Marco Antonio Basilio Loza
  • Revolução Russa - L. Trotsky
  • Sete ensaios de interpretação da realidade peruana - José Carlos Mariátegui/ Editora Expressão Popular
  • Sobre a Ditadura do Proletariado - Étienne Balibar
  • Sobre a evolução do conceito de campesinato - Eduardo Sevilla Guzmán e Manuel González de Molina

ZZ - Estudar Sempre/LITERATURA

  • 1984 - George Orwell
  • A Casa dos Espíritos, de Isabel Allende
  • A Espera dos Bárbaros - J.M. Coetzee
  • A hora da estrela - Clarice Lispector
  • A Leste do Éden - John Steinbeck,
  • A Mãe, MÁXIMO GORKI
  • A Peste - Albert Camus
  • A Revolução do Bichos - George Orwell
  • Admirável Mundo Novo - ALDOUS HUXLEY
  • Ainda é Tempo de Viver - Roger Garaud
  • Aleph - Jorge Luis Borges
  • As cartas do Pe. Antônio Veira
  • As Minhas Universidades, MÁXIMO GORKI
  • Assim foi temperado o aço - Nikolai Ostrovski
  • Cem anos de solidão - Gabriel García Márquez
  • Contos - Jack London
  • Crime e castigo, de Fiódor Dostoiévski
  • Desonra, de John Maxwell Coetzee
  • Desça Moisés ( WILLIAM FAULKNER)
  • Don Quixote de la Mancha - Miguel de Cervantes
  • Dona flor e seus dois maridos, de Jorge Amado
  • Ensaio sobre a Cegueira - José Saramago
  • Ensaio sobre a lucidez, de José Saramago
  • Fausto - JOHANN WOLFGANG GOETHE
  • Ficções - Jorge Luis Borges
  • Guerra e Paz - LEON TOLSTOI
  • Incidente em Antares, de Érico Veríssimo
  • Memórias do Cárcere - Graciliano Ramos
  • O Alienista - Machado de Assis
  • O amor nos tempos do cólera - Gabriel García Márquez
  • O Contrato de Casamento, de Honoré de Balzac
  • O Estrangeiro - Albert Camus
  • O homem revoltado - Albert Camus
  • O jogo da Amarelinha – Júlio Cortazar
  • O livro de Areia – Jorge Luis Borges
  • O mercador de Veneza, de William Shakespeare
  • O mito de Sísifo, de Albert Camus
  • O Nome da Rosa - Umberto Eco
  • O Processo - Franz Kafka
  • O Príncipe de Nicolau Maquiavel
  • O Senhor das Moscas, WILLIAM GOLDING
  • O Som e a Fúria (WILLIAM FAULKNER)
  • O ULTIMO LEITOR - PIGLIA, RICARDO
  • Oliver Twist, de Charles Dickens
  • Os Invencidos, WILLIAM FAULKNER
  • Os Miseravéis - Victor Hugo
  • Os Prêmios – Júlio Cortazar
  • OS TRABALHADORES DO MAR - Vitor Hugo
  • Por Quem os Sinos Dobram - ERNEST HEMINGWAY
  • São Bernardo - Graciliano Ramos
  • Vidas secas - Graciliano Ramos
  • VINHAS DA IRA, (JOHN STEINBECK)

ZZ - Estudar Sempre/LITERATURA GUERRILHEIRA

  • A Guerra de Guerrilhas - Comandante Che Guevara
  • A montanha é algo mais que uma imensa estepe verde - Omar Cabezas
  • Da guerrilha ao socialismo – a Revolução Cubana - Florestan Fernandes
  • EZLN – Passos de uma rebeldia - Emilio Gennari
  • Imagens da revolução – documentos políticos das organizações clandestinas de esquerda dos anos 1961-1971; Daniel Aarão Reis Filho e Jair Ferreira de Sá
  • O Diário do Che na Bolívia
  • PODER E CONTRAPODER NA AMÉRICA LATINA Autor: FLORESTAN FERNANDES
  • Rebelde – testemunho de um combatente - Fernando Vecino Alegret

ZZ- Estudar Sempre /GEOGRAFIA EM MOVIMENTO

  • Abordagens e concepções de território - Marcos Aurélio Saquet
  • Campesinato e territórios em disputa - Eliane Tomiasi Paulino, João Edmilson Fabrini (organizadores)
  • Cidade e Campo - relações e contradições entre urbano e rural - Maria Encarnação Beltrão Sposito e Arthur Magon Whitacker (orgs)
  • Cidades Médias - produção do espaço urbano e regional - Eliseu Savério Sposito, M. Encarnação Beltrão Sposito, Oscar Sobarzo (orgs)
  • Cidades Médias: espaços em transição - Maria Encarnação Beltrão Spósito (org.)
  • Geografia Agrária - teoria e poder - Bernardo Mançano Fernandes, Marta Inez Medeiros Marques, Júlio César Suzuki (orgs.)
  • Geomorfologia - aplicações e metodologias - João Osvaldo Rodrigues Nunes e Paulo César Rocha
  • Indústria, ordenamento do território e transportes - a contribuição de André Fischer. Organizadores: Olga Lúcia Castreghini de Freitas Firkowski e Eliseu Savério Spósito
  • Questões territoriais na América Latina - Amalia Inés Geraiges de Lemos, Mónica Arroyo e María Laura Silveira

KARL MARX

Loading...

LENIN

Loading...

5 HERÓIS CUBANOS

Loading...

COMANDANTE FIDEL CASTRO

Loading...

COMANDANTE CHE GUEVARA

Loading...

ALEIDA GUEVARA

Loading...

Cmte. RAÚL REYES

Loading...

Cmte. Manuel Marulanda Vélez -Tirofijo

Loading...

VENEZUELA - HUGO CHAVEZ

Loading...

A REVOLUÇÃO NÃO SERÁ TELEVISIONADA

Loading...

BOLÍVIA - EVO MORALES

Loading...

PRÉ-SOCRÁTICOS

Loading...

SOCIALISMO

Loading...

EQUADOR - RAFAEL CORREA

Loading...

FLORESTAN FERNANDES

Loading...

ANTONIO GRAMSCI

Loading...

PAULO FREIRE

Loading...

PABLO NERUDA

Loading...

JULIO CORTÁZAR

Loading...

JORGE LUIS BORGES

Loading...