sexta-feira, 7 de março de 2008

FILHO DE BETANCOURT PEDE EM PARIS QUE URIBE PARE DE BRINCAR COM A VIDA DOS PRISIONEIROS DE GUERRA






PALESTINIZAR A AMÉRICA DO SUL – FINAL

FILHO DE BETANCOURT PEDE EM PARIS QUE URIBE PARE DE BRINCAR COM A VIDA DOS PRISINEIROS DE GUERRA

Laerte Braga

A declaração final da reunião de emergência da OEA (Organização dos Estados Americanos) que condena a Colômbia por violar o território do Equador e registra as desculpas do presidente Álvaro Uribe, foi produto de um consenso entre os líderes dos países integrantes da organização e, ao contrário do que se possa imaginar isola Uribe do resto dos países da América do Sul.

A exceção do governo totalitário e corrupto do Peru, todos os demais países sul-americanos foram unânimes em condenar a Colômbia e deixar claro que esse tipo de ação mostra um país dirigido de fora (pelos Estados Unidos), com objetivos maiores que o combate às guerrilhas colombianas.

O presidente George Bush tem ciência que a base de Manta no Equador terá que ser evacuada até o final de outubro deste ano e lá estão os radares e instrumentos monitoraram a presença de Raúl Reyes em território do Equador. Rafael Corrêa, presidente do Equador, já comunicou oficialmente ao governo dos EUA que não vai renovar o contrato da base assinado por um dos seus antecessores.

Não estão conseguindo, os norte-americanos, bases militares para impor o cerco e controle para intervenções militares a partir de governos dóceis como o de Uribe e isso transtorna os planos alternativos para implantação da ALCA, hoje num viés bem mais amplo, para além do livre comércio.

O controle total dos países da América do Sul e a eliminação de governos adversários desses interesses como os de Chávez, Corrêa e Morales, além de criar condições para a eleição de José Serra no Brasil, em 2010.

Quem se der ao trabalho de exercer a tal “cidadania” que o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) presidido por Marco Aurélio Mello e debruçar-se sobre as ações do governo paulista vai ter uma idéia clara do que acontecerá ao Brasil na hipótese da eleição do factótum de FHC.

Governo falando numa direção, mídia vendendo essa direção e governando noutra direção, bem ao estilo tucano. Não é, não deixa de ser, mas só recebe.

Álvaro Uribe imaginava sair fortalecido da operação terrorista que desencadeou por determinação de Bush em território equatoriano. O plano, parte de outro plano maior, o Plano Colômbia (150 milhões de dólares no orçamento do governo dos EUA para este ano), está se revelando um desastre que não podiam prever ou não podiam imaginar.

O que era para ser o enfraquecimento da guerrilha, ao contrário, despertou reação em toda a América Latina, em vários países da Europa e dão às FARCs a condição de pêndulo na tentativa de Uribe de alcançar um terceiro mandato no clima de patriotismo doentio e terrorista que criou em seu país, até pelo hábito de mandar assassinar adversários, prendê-los e ter a imprensa colombiana sob controle e valer-se de paramilitares (um grupo terrorista ligado ao tráfico internacional de drogas) para afastar “problemas”.

As declarações de Chávez sobre desejo de paz e negociações que ponham fim à guerra civil na Colômbia não são, ao contrário do que veicula a GLOBO, uma intervenção nos negócios internos da Colômbia. Chávez, como Lula, percebeu o alcance real do Plano Colômbia e ao procederem assim, cada qual segundo as características de seu governo, anulam a belicosidade deliberada de Uribe e Bush.

A fala do presidente Corrêa que, rapidamente, se encontrou com líderes sul americanos serviu para isolar Uribe e não houve resposta à declaração do equatoriano que chamou o colombiano de “canalha e traidor”.

A resolução da OEA foi aceita pela Colômbia como mal menor diante dos resultados negativos da ação terrorista.

O noticiário do jornal FOLHA DE SÃO PAULO de hoje dá conta do “desapontamento” dos EUA, da Colômbia e seus aliados com uma simples constatação: “Chávez AGORA diz que quer a paz”.

Todas as negociações de paz foram conduzidas por Cháves e todas esbarraram na inconseqüência terrorista de Uribe.

Há um detalhe revelador no filme liberado pelo governo do Equador das operações de resgate de guerrilheiros em seu território, logo após a ação colombiana. O ministro da Defesa daquele país diz, claramente, a uma guerrilheira ferida que “fique tranqüila, você está em segurança, num país amigo”.

E essa história dos computadores não emplacou como desejavam os terroristas norte-americanos e colombianos, com a colaboração dos serviços secretos de Israel. Parece aquela outra das armas de destruição em massa de Saddam Hussein e dos passaportes dos que pilotaram os aviões que explodiram contra as torres do World Trade Center. Não sobrou nada exceto os passaportes e em meio aquele fogaréu todo.

O grande temor de Uribe é que, enfraquecido diante da comunidade internacional, apoiado por um presidente desacreditado dentro de seu país (o candidato republicano pediu um apoio discreto de Bush para não atrapalhar diante dos baixos índices de popularidade do texano em seu país), sejam retomadas as conversações para a libertação de Ingrid Betancourt (a mãe da ex-senadora viajou para Caracas) e isso ocorra num momento em que se credencia como o grande patriota que libertou o país da ameaça de destruição.

Foi por essas e outras que o doutor Samuel Johnson, pensador e deputado no Parlamento britânico (quando a Grã Bretanha era uma nação independente e não colônia dos EUA) disse, em memorável discurso, que “o patriotismo é o último refúgio dos canalhas”.

Há uma clara e manifesta disposição das FARCs em libertar a ex-senadora. E há uma clara e manifesta disposição de Betancourt de candidatar-se à presidência da Colômbia. Quando foi feita prisioneira estava em campanha eleitoral.

E um claro interesse de Uribe e Bush para que isso não ocorra. Jogam com as notícias do delicado estado de saúde de Betancourt. A eventual morte dela serviria aos propósitos terroristas da dupla.

Teriam um pretexto para novo achaque patriótico contra os colombianos e o mundo e eliminado um obstáculo.

É um engano supor que as FARCs estejam derrotadas ou enfraquecidas. Sofreram um golpe, um duro golpe, mas permanecem inteiras e coesas no um terço do território da Colômbia que dominam.

E a despeito da GLOBO, entre nós, outras GLOBOS em outros países, é o primeiro momento que os “terroristas” querem negociar a paz e condições humanitárias que permitam a troca de prisioneiros de guerra e os “democratas” e defensores dos “direitos humanos” querem a guerra. O terror.

Uribe sai enfraquecido mais ainda pois, o mundo inteiro tomou conhecimento de suas ligações com o narcotráfico. O general Naranjo, comandante policial da Colômbia, homem de confiança de Uribe e dos EUA, tem um irmão que cumpre pena na Alemanha por tráfico de droga. As polícias européias sabem que Naranjo é traficante.

O que a unidade dos governos sul americanos neste arremedo de crise fabricado pela insensatez de um terrorista, dois aliás, produziu pode e deve ampliar as políticas de colaboração, pois já se sabe e agora publicamente, que os Estados Unidos querem a América do Sul como entreposto dócil e subserviente de seus interesses. Petróleo, gás, água, controle estratégico de toda essa parte do mundo, as riquezas minerais, as fontes de energia e a Amazônia.

O tiro saiu pela culatra e hoje, 6 de março, em vários países do mundo, mais de cem, centenas de milhares de pessoas marcham pedindo paz. Inclusive nos EUA, inclusive na Colômbia. Enquanto cresce o número de cidadãos de Israel indignados com o terrorismo praticado contra a população Palestina em Gaza principalmente.

Um detalhe de suma importância aos críticos da política do ministro Celso Amorim. Foi precisa sua declaração logo após o fato, foi brilhante sua intervenção no processo da crise e a decisão do governo brasileiro de receber o presidente do Equador em pleno conflito verbal e diplomático entre os países envolvidos foi um sinal que o Brasil tem consciência de suas responsabilidades e deveres para com os povos irmãos da América do Sul.

O jogo de Uribe e Bush agora vai ser simples, pelo menos no imediato: impedir de todas as formas, boicotar todas as negociações para que Ingrid Betancourt seja liberada, pelos menos até Uribe arrancar um novo mandato para o tráfico de drogas e o terrorismo colonizador da Casa Branca.

Lorenzo Delloye, filho da franco-colombiana Ingrid Betancourt, prisioneira das Forças rmadas Revolucionárias Colombianas (FARCs) há seis anos, disse hoje em Paris que o chefe de Estado colombiano, Álvaro Uribe, "está brincando com as vidas dos seqüestrados.

Os filhos de Betancourt e o seu ex-marido participaram da manifestação em Paris que repudiou a ação do governo de Álvaro Uribe contra o Equador. Fabrice Delloye, o ex-marido lamentou a morte de Raúl Reyes “o único interlocutor das FARCs no processo de libertação dos prisioneiros de guerra”. Ao seu lado estava a ministra de Educação Superior da França Valérie Pécresse. Todos pediram calma e retomada das negociações.

Em mais de cem países do mundo inclusive nos Estados Unidos e na Colômbia o dia 6 de março foi marcado por manifestações pela paz na Colômbia, pelas negociações e por protestos contra o governo narco terrorista de Álvaro Uribe.

Cuidado com o noticiário da GLOBO. Vai mostrar Lorenzo Delloye falando e a “tradução” será segundo os interesses do terrorismo colombiano de Uribe. Como fizeram quando da Clara Rojas foi libertada. Todas a redes européias mostram a ex-parlamentar falando uma coisa e a GLOBO mostrou outra. A íntegra da fala de Delloye está no site da BBC.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por que Zurdo?

O nome do blog foi inspirado no filme Zurdo de Carlos Salcés, uma película mexicana extraordinária.


Zurdo em espanhol que dizer: esquerda, mão esquerda.
E este blog significa uma postura alternativa as oficiais, as institucionais. Aqui postaremos diversos assuntos como política, cultura, história, filosofia, humor... relacionadas a realidades sem tergiversações como é costume na mídia tradicional.
Teremos uma postura radical diante dos fatos procurando estimular o pensamento crítico. Além da opinião, elabora-se a realidade desvendando os verdadeiros interesses que estão em disputa na sociedade.

Vos abraço com todo o fervor revolucionário

Raoul José Pinto



ZZ - ESTUDAR SEMPRE

  • A Condição Pós-Moderna - DAVID HARVEY
  • A Condição Pós-Moderna - Jean-François Lyotard
  • A era do capital - HOBSBAWM, E. J
  • Antonio Gramsci – vida e obra de um comunista revolucionário
  • Apuntes Criticos A La Economia Politica - Ernesto Che Guevara
  • As armas de ontem, por Max Marambio,
  • BOLÍVIA jakaskiwa - Mariléia M. Leal Caruso e Raimundo C. Caruso
  • Cultura de Consumo e Pós-Modernismo - Mike Featherstone
  • Dissidentes ou mercenários? Objetivo: liquidar a Revolução Cubana - Hernando Calvo Ospina e Katlijn Declercq
  • Ensaios sobre consciência e emancipação - Mauro Iasi
  • Esquerdas e Esquerdismo - Da Primeira Internacional a Porto Alegre - Octavio Rodríguez Araujo
  • Fenomenologia do Espírito. Autor:. Georg Wilhelm Friedrich Hegel
  • Fidel Castro: biografia a duas vozes - Ignacio Ramonet
  • Haciendo posible lo imposible — La Izquierda en el umbral del siglo XXI - Marta Harnecker
  • Hegemonias e Emancipações no século XXI - Emir Sader Ana Esther Ceceña Jaime Caycedo Jaime Estay Berenice Ramírez Armando Bartra Raúl Ornelas José María Gómez Edgardo Lande
  • HISTÓRIA COMO HISTÓRIA DA LIBERDADE - Benedetto Croce
  • Individualismo e Cultura - Gilberto Velho
  • Lênin e a Revolução, por Jean Salem
  • O Anti-Édipo — Capitalismo e Esquizofrenia Gilles Deleuze Félix Guattari
  • O Demônio da Teoria: Literatura e Senso Comum - Antoine Compagnon
  • O Marxismo de Che e o Socialismo no Século XXI - Carlos Tablada
  • O MST e a Constituição. Um sujeito histórico na luta pela reforma agrária no Brasil - Delze dos Santos Laureano
  • Os 10 Dias Que Abalaram o Mundo - JOHN REED
  • Para Ler O Pato Donald - Ariel Dorfman - Armand Mattelart.
  • Pós-Modernismo - A Lógica Cultural do Capitalismo Tardio - Frederic Jameson
  • Questões territoriais na América Latina - Amalia Inés Geraiges de Lemos, Mónica Arroyo e María Laura Silveira
  • Simulacro e Poder - uma análise da mídia, de Marilena Chauí (Editora Perseu Abramo, 142 páginas)
  • Soberania e autodeterminação – a luta na ONU. Discursos históricos - Che, Allende, Arafat e Chávez
  • Um homem, um povo - Marta Harnecker

zz - Estudar Sempre/CLÁSSICOS DA HISTÓRIA, FILOSOFIA E ECONOMIA POLÍTICA

  • A Doença Infantil do Esquerdismo no Comunismo - Lênin
  • A História me absolverá - Fidel Castro Ruz
  • A ideologia alemã - Karl Marx e Friedrich Engels
  • A República 'Comunista' Cristã dos Guaranis (1610-1768) - Clóvis Lugon
  • A Revolução antes da Revolução. As guerras camponesas na Alemanha. Revolução e contra-revolução na Alemanha - Friedrich Engels
  • A Revolução antes da Revolução. As lutas de classes na França - de 1848 a 1850. O 18 Brumário de Luis Bonaparte. A Guerra Civil na França - Karl Marx
  • A Revolução Burguesa no Brasil - Florestan Fernandes
  • A Revolução Proletária e o Renegado Kautsky - Lênin
  • A sagrada família - Karl Marx e Friedrich Engels
  • Antígona, de Sófocles
  • As tarefas revolucionárias da juventude - Lenin, Fidel e Frei Betto
  • As três fontes - V. I. Lenin
  • CASA-GRANDE & senzala - Gilberto Freyre
  • Crítica Eurocomunismo - Ernest Mandel
  • Dialética do Concreto - KOSIK, Karel
  • Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico - Friedrich Engels
  • Do sonho às coisas - José Carlos Mariátegui
  • Ensaios Sobre a Revolução Chilena - Manuel Castells, Ruy Mauro Marini e/ou Carlos altamiro
  • Estratégia Operária e Neocapitalismo - André Gorz
  • Eurocomunismo e Estado - Santiago Carrillo
  • Fenomenologia da Percepção - MERLEAU-PONTY, Maurice
  • História do socialismo e das lutas sociais - Max Beer
  • Manifesto do Partido Comunista - Karl Marx e Friedrich Engels
  • MANUAL DE ESTRATÉGIA SUBVERSIVA - Vo Nguyen Giap
  • MANUAL DE MARXISMO-LENINISMO - OTTO KUUSINEN
  • Manuscritos econômico filosóficos - MARX, Karl
  • Mensagem do Comitê Central à Liga dosComunistas - Karl Marx e Friedrich Engels
  • Minima Moralia - Theodor Wiesengrund Adorno
  • O Ano I da Revolução Russa - Victor Serge
  • O Caminho do Poder - Karl Kautsky
  • O Marxismo e o Estado - Norberto Bobbio e outros
  • O Que Todo Revolucionário Deve Saber Sobre a Repressão - Victo Serge
  • Orestéia, de Ésquilo
  • Os irredutíveis - Daniel Bensaïd
  • Que Fazer? - Lênin
  • Raízes do Brasil - Sérgio Buarque de Holanda
  • Reforma ou Revolução - Rosa Luxemburgo
  • Revolução Mexicana - antecedentes, desenvolvimento, conseqüências - Rodolfo Bórquez Bustos, Rafael Alarcón Medina, Marco Antonio Basilio Loza
  • Revolução Russa - L. Trotsky
  • Sete ensaios de interpretação da realidade peruana - José Carlos Mariátegui/ Editora Expressão Popular
  • Sobre a Ditadura do Proletariado - Étienne Balibar
  • Sobre a evolução do conceito de campesinato - Eduardo Sevilla Guzmán e Manuel González de Molina

ZZ - Estudar Sempre/LITERATURA

  • 1984 - George Orwell
  • A Casa dos Espíritos, de Isabel Allende
  • A Espera dos Bárbaros - J.M. Coetzee
  • A hora da estrela - Clarice Lispector
  • A Leste do Éden - John Steinbeck,
  • A Mãe, MÁXIMO GORKI
  • A Peste - Albert Camus
  • A Revolução do Bichos - George Orwell
  • Admirável Mundo Novo - ALDOUS HUXLEY
  • Ainda é Tempo de Viver - Roger Garaud
  • Aleph - Jorge Luis Borges
  • As cartas do Pe. Antônio Veira
  • As Minhas Universidades, MÁXIMO GORKI
  • Assim foi temperado o aço - Nikolai Ostrovski
  • Cem anos de solidão - Gabriel García Márquez
  • Contos - Jack London
  • Crime e castigo, de Fiódor Dostoiévski
  • Desonra, de John Maxwell Coetzee
  • Desça Moisés ( WILLIAM FAULKNER)
  • Don Quixote de la Mancha - Miguel de Cervantes
  • Dona flor e seus dois maridos, de Jorge Amado
  • Ensaio sobre a Cegueira - José Saramago
  • Ensaio sobre a lucidez, de José Saramago
  • Fausto - JOHANN WOLFGANG GOETHE
  • Ficções - Jorge Luis Borges
  • Guerra e Paz - LEON TOLSTOI
  • Incidente em Antares, de Érico Veríssimo
  • Memórias do Cárcere - Graciliano Ramos
  • O Alienista - Machado de Assis
  • O amor nos tempos do cólera - Gabriel García Márquez
  • O Contrato de Casamento, de Honoré de Balzac
  • O Estrangeiro - Albert Camus
  • O homem revoltado - Albert Camus
  • O jogo da Amarelinha – Júlio Cortazar
  • O livro de Areia – Jorge Luis Borges
  • O mercador de Veneza, de William Shakespeare
  • O mito de Sísifo, de Albert Camus
  • O Nome da Rosa - Umberto Eco
  • O Processo - Franz Kafka
  • O Príncipe de Nicolau Maquiavel
  • O Senhor das Moscas, WILLIAM GOLDING
  • O Som e a Fúria (WILLIAM FAULKNER)
  • O ULTIMO LEITOR - PIGLIA, RICARDO
  • Oliver Twist, de Charles Dickens
  • Os Invencidos, WILLIAM FAULKNER
  • Os Miseravéis - Victor Hugo
  • Os Prêmios – Júlio Cortazar
  • OS TRABALHADORES DO MAR - Vitor Hugo
  • Por Quem os Sinos Dobram - ERNEST HEMINGWAY
  • São Bernardo - Graciliano Ramos
  • Vidas secas - Graciliano Ramos
  • VINHAS DA IRA, (JOHN STEINBECK)

ZZ - Estudar Sempre/LITERATURA GUERRILHEIRA

  • A Guerra de Guerrilhas - Comandante Che Guevara
  • A montanha é algo mais que uma imensa estepe verde - Omar Cabezas
  • Da guerrilha ao socialismo – a Revolução Cubana - Florestan Fernandes
  • EZLN – Passos de uma rebeldia - Emilio Gennari
  • Imagens da revolução – documentos políticos das organizações clandestinas de esquerda dos anos 1961-1971; Daniel Aarão Reis Filho e Jair Ferreira de Sá
  • O Diário do Che na Bolívia
  • PODER E CONTRAPODER NA AMÉRICA LATINA Autor: FLORESTAN FERNANDES
  • Rebelde – testemunho de um combatente - Fernando Vecino Alegret

ZZ- Estudar Sempre /GEOGRAFIA EM MOVIMENTO

  • Abordagens e concepções de território - Marcos Aurélio Saquet
  • Campesinato e territórios em disputa - Eliane Tomiasi Paulino, João Edmilson Fabrini (organizadores)
  • Cidade e Campo - relações e contradições entre urbano e rural - Maria Encarnação Beltrão Sposito e Arthur Magon Whitacker (orgs)
  • Cidades Médias - produção do espaço urbano e regional - Eliseu Savério Sposito, M. Encarnação Beltrão Sposito, Oscar Sobarzo (orgs)
  • Cidades Médias: espaços em transição - Maria Encarnação Beltrão Spósito (org.)
  • Geografia Agrária - teoria e poder - Bernardo Mançano Fernandes, Marta Inez Medeiros Marques, Júlio César Suzuki (orgs.)
  • Geomorfologia - aplicações e metodologias - João Osvaldo Rodrigues Nunes e Paulo César Rocha
  • Indústria, ordenamento do território e transportes - a contribuição de André Fischer. Organizadores: Olga Lúcia Castreghini de Freitas Firkowski e Eliseu Savério Spósito
  • Questões territoriais na América Latina - Amalia Inés Geraiges de Lemos, Mónica Arroyo e María Laura Silveira

KARL MARX

Loading...

LENIN

Loading...

5 HERÓIS CUBANOS

Loading...

COMANDANTE FIDEL CASTRO

Loading...

COMANDANTE CHE GUEVARA

Loading...

ALEIDA GUEVARA

Loading...

Cmte. RAÚL REYES

Loading...

Cmte. Manuel Marulanda Vélez -Tirofijo

Loading...

VENEZUELA - HUGO CHAVEZ

Loading...

A REVOLUÇÃO NÃO SERÁ TELEVISIONADA

Loading...

BOLÍVIA - EVO MORALES

Loading...

PRÉ-SOCRÁTICOS

Loading...

SOCIALISMO

Loading...

EQUADOR - RAFAEL CORREA

Loading...

FLORESTAN FERNANDES

Loading...

ANTONIO GRAMSCI

Loading...

PAULO FREIRE

Loading...

PABLO NERUDA

Loading...

JULIO CORTÁZAR

Loading...

JORGE LUIS BORGES

Loading...