sábado, 14 de novembro de 2015

13 DE NOVEMBRO, EM PARIS


por Runildo Pinto - 14/11/2015

A mídia burguesa contra-ataca ao atentado coordenado em Paris, aponta seus projéteis mais certeiros de forma tão criminosa e covarde quanto os ataques ao Bataclan e demais lugares atingidos pelo horror na cidade luz. A mídia quer passar a ideia de que é uma guerra, é uma ataque entre os bárbaros (Estado Islâmico, Al Qaeda, Síria, Líbia, Iran, Iraque, etc...), enfim, o "mundo árabe" e civilizados (EUA, França, Alemanha, Inglaterra, Arábia Saudita). Não se iludam e não se enganem! O Estado Islâmico assumiu o atentado e essa questão é muito mais profunda do que a mídia faz parecer, não é uma guerra entre bons e maus. O envolvimento da União Europeia, através da OTAN em aliança com os EUA, Israel e Arábia Saudita, vai além dessa cantilena maniqueísta, configura uma ação do terrorismo de Estado, disfarçados de donos de um caráter civilizatório e democrático.

O ponto nevrálgico oculto pela imprensa corporativa conivente com os governos da França, Inglaterra, Alemanha e EUA, tem o objetivo de fazer a grande massa de trabalhadores do mundo a acreditar que não há envolvimento destes Estados e que são o suprassumo da liberdade e da democracia. Vamos clarear a questão, enganam-se o senso comum, mas a verdade tem que ser evidenciada e, é fato, quem criou a Al Qaeda, o Estado Islâmico e tantos outros grupos foram os EUA com o objetivo de desestabilizar e depor governos, com apoio político e operacional da União Europeia, em intervenções diretas da OTAN e voluntariamente principalmente da França, Inglaterra e Alemanha.

Os atentados são formas extremas de ação movidas pela revolta e pela impotência diante das ingerências poderosas e predatórias promovidas pelos saques dos EUA e da União Europeia sobre a economia dos países da Oriente Médio e norte da África, trazendo desolação, miséria, desprezo, destruindo culturas e provocando primeiro divisão e depois conflitos mortais entre etnias, nessa região, principalmente a países que tradicionalmente não se alinham de forma submissa aos interesses dos EUA e UE. A UE, pretende tirar proveito da ave de rapina do maior Estado terrorista do mundo, os EUA, por conta da fragilidade do euro, da crise econômica na Europa.

O império norte-americano que garante o poder em seu território à burguesia armamentista, isto é: a indústria armamentista, precisa manter, o mundo em guerras, já que suas reservas de petróleo e água estão esgotadas. Abrimos um parênteses aqui, para dizer como a água será motivação para novas guerras a médio prazo, agora na América Latina, e não é por menos as bases militares dos EUA, prioritariamente na Colômbia amazônica, Peru e Paraguai, e dos últimos investimentos em duas superbases militares na Colômbia e Peru que dão condições para as mais modernas e poderosas aeronaves militares aterrissarem. Quanto ao petróleo na América Latina fica reservado, o Brasil com o Pré-Sal. Portanto, os EUA está, também, com um olho na América Latina, não é por menos que ameaçam, a pretexto, invadir a Venezuela bolivariana, fecha parênteses.
 
Voltemos aos atentados em Paris com uma pergunta: por que Paris? E não, Berlim e/ou Londres? Essa pergunta tem que pairar sobre a cabeça do mundo, uma desafio para a humanidade, gritar pela voz dos trabalhadores, pelo internacionalismo proletário do mundo todo, como a única classe que pode reivindicar luta e fazer frente contra o capitalismo.

Em Paris, sim, pairou a desgraça e consequência engendradas por políticas historicamente construídas pela França no norte da África, principalmente no Marrocos e Argélia, mas essa ingerência tem um caráter predatório muito amplo na região até o Oriente Médio, a França ainda disputa economicamente e politicamente a região. Uma luta de influencia com os EUA, esse espaço deixado por estes, a França ocupa sem colocar em risco a aliança militar. Não é somente uma disputa comercial, vai muito além. Pode-se ver que é uma pratica política de interesses espúrios, oportunista e fonte de conflitos de dimensões incalculáveis, no contexto geopolítico do Oriente Médio e África, que permeia o tecido da população local e principalmente dos grupos fundamentalistas religiosos e que foram criados e manobrados pelos interesses de ambos, França-EUA, e deixados de lado depois de usados, a esmo em um contexto político regional fragmentado, por inúmeros interesses políticos étnico religioso contraditórios. O alvo foi Paris, e não Londres e/ou Berlim porque a necessidade histórica Francesa dada pela cartilha de Charles D"Gaulle é seguida por Hollande, manter uma influência política na região, e que projete polpudos negócios principalmente na área da indústria bélica. A saber, a França é o alvo por fatores factuais históricos, políticos e econômicos, de se manter na região dividindo e apoiando ações que enfraqueça a identidade e autonomia dessas duas regiões. O apoio a Saddan Hussen e o descontentamento com o acordo nuclear com o Iran mostram como a França, disputa o norte da África e Oriente Médio.

A conjuntura orienta o caldeirão de guerra do Oriente Médio depois de sua guinada para o norte da África, em um conflito duradouro, se amplia acordos e/ou desacordos de interesses para o leste Europeu e à América Latina. E será complicado para quem não perfilar, não se alinhar as políticas e negócios econômicos dos EUA e a UE.

No Brasil, a mídia mais exaltada, a Rede Globo, na voz do ancora do Jornal da Globo, o Sr. William José Waack, na noite de 13 de novembro, espumava seu ódio contra árabes e africanos, fazendo uma apologia a democracia burguesa no ocidente, dando aos EUA e a França status de nações que desenvolveram um alto nível civilizatório e respeito humanitário, de justiça e liberdades democráticas na Terra. Se acreditarmos nestas vis palavras delirantes pela raiva, realmente estaríamos assumindo a mediocridade como forma da barbárie se manifestando na sociedade. Tais argumentações mostram de forma explicita o quanto a burguesia brasileira é uma burguesia subalterna do capital internacional, por isso gerou uma classe média infame. Como disse Marilena Chauí: "a classe média brasileira é uma abominação política, porque é fascista. É uma abominação ética porque é violenta, e é uma abominação cognitiva, porque é ignorante". Esse é o contexto da política brasileira, cria o horror e o medo como forma de prostrar a sociedade e a elite se mostrar como isenta de responsabilidades sobre o que acontece dentro do Brasil e fora dele.
 
O sangue de Paris escorreu sobre o assoalho do mundo entre os maus e os bons, não sobrou nada, fica o corte? A obliteração mítica, que não vai além desse maniqueísmo neopositivista e irracional dos interesses neoliberais. Espero que depois de tantos atentados terroristas, a sociedade vítima de tais crueldades sistêmicas, não se alie aos governos hipócritas, a essa repetição aponte para um outro lado, o lado da desconfiança, porque os governos e a mídia blindam tão perfeitamente os fatos e as origens de tamanho ódio de tal forma que fique mais no interior de cada cidadão, é isso que governos e a mídia fazem, apartam os fatos dos interesses econômicos do capital, da política e inculcam, recalcam no inconsciente coletivo uma lógica perversa inócua, apagando os traços, o corte real da natureza dos fatos, prevalecendo o medo na população e reconstituindo o poder coercivo do Estado sobre a sociedade, se reposicionando de forma neutra e como defensor supremo da sociedade democrática. Triste fantasia! Que se aguce o senso critico, descobriremos que a crueldade maior é a falta de capacidade da África e do Oriente Médio reagir, resistirem e fazerem frente contra os interesses do capital, por duas claras ações dos imperialistas: a primeira é a conivência das elites de cada país da região através de seus governos. A segunda: aqueles que se recusam conciliar, o poder militar dos EUA e UE os depõem à força colocando títeres governantes a serviço do grande capital, como foi no Iraque e na Líbia. Assim caminha a humanidade. Enquanto isso vemos uma época onde neutros, apolíticos e apartidários colocados nas suas cômodas prateleiras do mercado, dizendo que não tem nada a ver com isso. Mas, a realidade, não tarda a hora, delineia desdobrados movimentos com direção certeira, vem para atingir suas lentas romarias de alienação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por que Zurdo?

O nome do blog foi inspirado no filme Zurdo de Carlos Salcés, uma película mexicana extraordinária.


Zurdo em espanhol que dizer: esquerda, mão esquerda.
E este blog significa uma postura alternativa as oficiais, as institucionais. Aqui postaremos diversos assuntos como política, cultura, história, filosofia, humor... relacionadas a realidades sem tergiversações como é costume na mídia tradicional.
Teremos uma postura radical diante dos fatos procurando estimular o pensamento crítico. Além da opinião, elabora-se a realidade desvendando os verdadeiros interesses que estão em disputa na sociedade.

Vos abraço com todo o fervor revolucionário

Raoul José Pinto



ZZ - ESTUDAR SEMPRE

  • A Condição Pós-Moderna - DAVID HARVEY
  • A Condição Pós-Moderna - Jean-François Lyotard
  • A era do capital - HOBSBAWM, E. J
  • Antonio Gramsci – vida e obra de um comunista revolucionário
  • Apuntes Criticos A La Economia Politica - Ernesto Che Guevara
  • As armas de ontem, por Max Marambio,
  • BOLÍVIA jakaskiwa - Mariléia M. Leal Caruso e Raimundo C. Caruso
  • Cultura de Consumo e Pós-Modernismo - Mike Featherstone
  • Dissidentes ou mercenários? Objetivo: liquidar a Revolução Cubana - Hernando Calvo Ospina e Katlijn Declercq
  • Ensaios sobre consciência e emancipação - Mauro Iasi
  • Esquerdas e Esquerdismo - Da Primeira Internacional a Porto Alegre - Octavio Rodríguez Araujo
  • Fenomenologia do Espírito. Autor:. Georg Wilhelm Friedrich Hegel
  • Fidel Castro: biografia a duas vozes - Ignacio Ramonet
  • Haciendo posible lo imposible — La Izquierda en el umbral del siglo XXI - Marta Harnecker
  • Hegemonias e Emancipações no século XXI - Emir Sader Ana Esther Ceceña Jaime Caycedo Jaime Estay Berenice Ramírez Armando Bartra Raúl Ornelas José María Gómez Edgardo Lande
  • HISTÓRIA COMO HISTÓRIA DA LIBERDADE - Benedetto Croce
  • Individualismo e Cultura - Gilberto Velho
  • Lênin e a Revolução, por Jean Salem
  • O Anti-Édipo — Capitalismo e Esquizofrenia Gilles Deleuze Félix Guattari
  • O Demônio da Teoria: Literatura e Senso Comum - Antoine Compagnon
  • O Marxismo de Che e o Socialismo no Século XXI - Carlos Tablada
  • O MST e a Constituição. Um sujeito histórico na luta pela reforma agrária no Brasil - Delze dos Santos Laureano
  • Os 10 Dias Que Abalaram o Mundo - JOHN REED
  • Para Ler O Pato Donald - Ariel Dorfman - Armand Mattelart.
  • Pós-Modernismo - A Lógica Cultural do Capitalismo Tardio - Frederic Jameson
  • Questões territoriais na América Latina - Amalia Inés Geraiges de Lemos, Mónica Arroyo e María Laura Silveira
  • Simulacro e Poder - uma análise da mídia, de Marilena Chauí (Editora Perseu Abramo, 142 páginas)
  • Soberania e autodeterminação – a luta na ONU. Discursos históricos - Che, Allende, Arafat e Chávez
  • Um homem, um povo - Marta Harnecker

zz - Estudar Sempre/CLÁSSICOS DA HISTÓRIA, FILOSOFIA E ECONOMIA POLÍTICA

  • A Doença Infantil do Esquerdismo no Comunismo - Lênin
  • A História me absolverá - Fidel Castro Ruz
  • A ideologia alemã - Karl Marx e Friedrich Engels
  • A República 'Comunista' Cristã dos Guaranis (1610-1768) - Clóvis Lugon
  • A Revolução antes da Revolução. As guerras camponesas na Alemanha. Revolução e contra-revolução na Alemanha - Friedrich Engels
  • A Revolução antes da Revolução. As lutas de classes na França - de 1848 a 1850. O 18 Brumário de Luis Bonaparte. A Guerra Civil na França - Karl Marx
  • A Revolução Burguesa no Brasil - Florestan Fernandes
  • A Revolução Proletária e o Renegado Kautsky - Lênin
  • A sagrada família - Karl Marx e Friedrich Engels
  • Antígona, de Sófocles
  • As tarefas revolucionárias da juventude - Lenin, Fidel e Frei Betto
  • As três fontes - V. I. Lenin
  • CASA-GRANDE & senzala - Gilberto Freyre
  • Crítica Eurocomunismo - Ernest Mandel
  • Dialética do Concreto - KOSIK, Karel
  • Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico - Friedrich Engels
  • Do sonho às coisas - José Carlos Mariátegui
  • Ensaios Sobre a Revolução Chilena - Manuel Castells, Ruy Mauro Marini e/ou Carlos altamiro
  • Estratégia Operária e Neocapitalismo - André Gorz
  • Eurocomunismo e Estado - Santiago Carrillo
  • Fenomenologia da Percepção - MERLEAU-PONTY, Maurice
  • História do socialismo e das lutas sociais - Max Beer
  • Manifesto do Partido Comunista - Karl Marx e Friedrich Engels
  • MANUAL DE ESTRATÉGIA SUBVERSIVA - Vo Nguyen Giap
  • MANUAL DE MARXISMO-LENINISMO - OTTO KUUSINEN
  • Manuscritos econômico filosóficos - MARX, Karl
  • Mensagem do Comitê Central à Liga dosComunistas - Karl Marx e Friedrich Engels
  • Minima Moralia - Theodor Wiesengrund Adorno
  • O Ano I da Revolução Russa - Victor Serge
  • O Caminho do Poder - Karl Kautsky
  • O Marxismo e o Estado - Norberto Bobbio e outros
  • O Que Todo Revolucionário Deve Saber Sobre a Repressão - Victo Serge
  • Orestéia, de Ésquilo
  • Os irredutíveis - Daniel Bensaïd
  • Que Fazer? - Lênin
  • Raízes do Brasil - Sérgio Buarque de Holanda
  • Reforma ou Revolução - Rosa Luxemburgo
  • Revolução Mexicana - antecedentes, desenvolvimento, conseqüências - Rodolfo Bórquez Bustos, Rafael Alarcón Medina, Marco Antonio Basilio Loza
  • Revolução Russa - L. Trotsky
  • Sete ensaios de interpretação da realidade peruana - José Carlos Mariátegui/ Editora Expressão Popular
  • Sobre a Ditadura do Proletariado - Étienne Balibar
  • Sobre a evolução do conceito de campesinato - Eduardo Sevilla Guzmán e Manuel González de Molina

ZZ - Estudar Sempre/LITERATURA

  • 1984 - George Orwell
  • A Casa dos Espíritos, de Isabel Allende
  • A Espera dos Bárbaros - J.M. Coetzee
  • A hora da estrela - Clarice Lispector
  • A Leste do Éden - John Steinbeck,
  • A Mãe, MÁXIMO GORKI
  • A Peste - Albert Camus
  • A Revolução do Bichos - George Orwell
  • Admirável Mundo Novo - ALDOUS HUXLEY
  • Ainda é Tempo de Viver - Roger Garaud
  • Aleph - Jorge Luis Borges
  • As cartas do Pe. Antônio Veira
  • As Minhas Universidades, MÁXIMO GORKI
  • Assim foi temperado o aço - Nikolai Ostrovski
  • Cem anos de solidão - Gabriel García Márquez
  • Contos - Jack London
  • Crime e castigo, de Fiódor Dostoiévski
  • Desonra, de John Maxwell Coetzee
  • Desça Moisés ( WILLIAM FAULKNER)
  • Don Quixote de la Mancha - Miguel de Cervantes
  • Dona flor e seus dois maridos, de Jorge Amado
  • Ensaio sobre a Cegueira - José Saramago
  • Ensaio sobre a lucidez, de José Saramago
  • Fausto - JOHANN WOLFGANG GOETHE
  • Ficções - Jorge Luis Borges
  • Guerra e Paz - LEON TOLSTOI
  • Incidente em Antares, de Érico Veríssimo
  • Memórias do Cárcere - Graciliano Ramos
  • O Alienista - Machado de Assis
  • O amor nos tempos do cólera - Gabriel García Márquez
  • O Contrato de Casamento, de Honoré de Balzac
  • O Estrangeiro - Albert Camus
  • O homem revoltado - Albert Camus
  • O jogo da Amarelinha – Júlio Cortazar
  • O livro de Areia – Jorge Luis Borges
  • O mercador de Veneza, de William Shakespeare
  • O mito de Sísifo, de Albert Camus
  • O Nome da Rosa - Umberto Eco
  • O Processo - Franz Kafka
  • O Príncipe de Nicolau Maquiavel
  • O Senhor das Moscas, WILLIAM GOLDING
  • O Som e a Fúria (WILLIAM FAULKNER)
  • O ULTIMO LEITOR - PIGLIA, RICARDO
  • Oliver Twist, de Charles Dickens
  • Os Invencidos, WILLIAM FAULKNER
  • Os Miseravéis - Victor Hugo
  • Os Prêmios – Júlio Cortazar
  • OS TRABALHADORES DO MAR - Vitor Hugo
  • Por Quem os Sinos Dobram - ERNEST HEMINGWAY
  • São Bernardo - Graciliano Ramos
  • Vidas secas - Graciliano Ramos
  • VINHAS DA IRA, (JOHN STEINBECK)

ZZ - Estudar Sempre/LITERATURA GUERRILHEIRA

  • A Guerra de Guerrilhas - Comandante Che Guevara
  • A montanha é algo mais que uma imensa estepe verde - Omar Cabezas
  • Da guerrilha ao socialismo – a Revolução Cubana - Florestan Fernandes
  • EZLN – Passos de uma rebeldia - Emilio Gennari
  • Imagens da revolução – documentos políticos das organizações clandestinas de esquerda dos anos 1961-1971; Daniel Aarão Reis Filho e Jair Ferreira de Sá
  • O Diário do Che na Bolívia
  • PODER E CONTRAPODER NA AMÉRICA LATINA Autor: FLORESTAN FERNANDES
  • Rebelde – testemunho de um combatente - Fernando Vecino Alegret

ZZ- Estudar Sempre /GEOGRAFIA EM MOVIMENTO

  • Abordagens e concepções de território - Marcos Aurélio Saquet
  • Campesinato e territórios em disputa - Eliane Tomiasi Paulino, João Edmilson Fabrini (organizadores)
  • Cidade e Campo - relações e contradições entre urbano e rural - Maria Encarnação Beltrão Sposito e Arthur Magon Whitacker (orgs)
  • Cidades Médias - produção do espaço urbano e regional - Eliseu Savério Sposito, M. Encarnação Beltrão Sposito, Oscar Sobarzo (orgs)
  • Cidades Médias: espaços em transição - Maria Encarnação Beltrão Spósito (org.)
  • Geografia Agrária - teoria e poder - Bernardo Mançano Fernandes, Marta Inez Medeiros Marques, Júlio César Suzuki (orgs.)
  • Geomorfologia - aplicações e metodologias - João Osvaldo Rodrigues Nunes e Paulo César Rocha
  • Indústria, ordenamento do território e transportes - a contribuição de André Fischer. Organizadores: Olga Lúcia Castreghini de Freitas Firkowski e Eliseu Savério Spósito
  • Questões territoriais na América Latina - Amalia Inés Geraiges de Lemos, Mónica Arroyo e María Laura Silveira

KARL MARX

Loading...

LENIN

Loading...

5 HERÓIS CUBANOS

Loading...

COMANDANTE FIDEL CASTRO

Loading...

COMANDANTE CHE GUEVARA

Loading...

ALEIDA GUEVARA

Loading...

Cmte. RAÚL REYES

Loading...

Cmte. Manuel Marulanda Vélez -Tirofijo

Loading...

VENEZUELA - HUGO CHAVEZ

Loading...

A REVOLUÇÃO NÃO SERÁ TELEVISIONADA

Loading...

BOLÍVIA - EVO MORALES

Loading...

PRÉ-SOCRÁTICOS

Loading...

SOCIALISMO

Loading...

EQUADOR - RAFAEL CORREA

Loading...

FLORESTAN FERNANDES

Loading...

ANTONIO GRAMSCI

Loading...

PAULO FREIRE

Loading...

PABLO NERUDA

Loading...

JULIO CORTÁZAR

Loading...

JORGE LUIS BORGES

Loading...