terça-feira, 30 de julho de 2013

Noam chomsky vs Zizek


(por Runildo Pinto)

A pretexto da mudança de época que vivemos, o que se pode aproveitar é o embate, que pouco temos visto entre os intelectuais na virada do século. E, é por isso, que Noam Chomsky se propõe ao enfrentamento com o filósofo Esloveno. Porque é muito difícil levar a sério as "divagações" de Slavoj Žižek, que tenta concatenar "o morto com o morto-vivo", bem característico da fase de transição que vivemos - do modernismo para o pós-modernismo -, onde nada se conceitua, tudo se concretiza e se esfacela no momento próximo. Mais parece uma especulação, um pseudo-marxismo, do que propriamente um pensamento dialético sobre o que compõe todo o movimento da globalização, do neoliberalismo, do descolamento das pessoas da superestrutura (o conjunto das ideologias religiosas, filosóficas, jurídicas e políticas de determinada classe social). 
 
Não é difícil saber que há classes sociais, que há o poder de uma classe dominante e portanto, luta de classes, mas, é muito difícil detectar como a dinâmica social geral, e sob o domínio da classe dominante hegemônica na ampla maioria dos países, que transformou a sociedade num condução fragmentada de grupos e processos direcionados pelo fetiche da mercadoria. Há imensos obstáculos para se detectar a totalidade e protagonizar a unidade em uma composição social esquizofrênica e que leva o indivíduo-mercadoria a se tornar uma ser narcisista e profundamente individualista. 
 
Neste cenário a dinâmica de forças se contradizem o tempo todo, entre sentimentos e emoções que se misturam e se transferem através das relações com a mercadoria, fazem as intimidades virem a ser "extimidades", e a se esgotarem em simulacros de uma vida fugaz, isto é: em inter-humanidades superficiais, banalizantes em sujeitos medíocres. É nesse lugar onde aparece o Sr. Zizek! Surge entre ansiedades e carências de uma sociedade sem referências palpáveis e seguras, por isso a grande aceitação de suas pseudorreflexões, parecem mais uma alegoria sensorial, uma transmissão de sensações que não se conectam, não se apresentam como concretas à vida, e não elabora com seriedade comportamentos e os processos mentais da sociedade sem incluir a evolução das classes sociais, do sistema econômico e político. É o malabarista que encanta pela sua suposta criatividade, onde, em vez de conectar, filosofia, psicologia, sociologia, economia e política, faz a desconexão destes, por sua vez descarta os valores do modernismo na sua totalidade e embarcam na incerteza de supostos valores que o pós-modernismo pode, a seu ver, estar embrionado e não estão elaborados, pois vivemos, hoje, com um pé no modernismo e outro no pós-modernismo.

Há uma confusão, uma abundância excessiva, exacerbada de liberalismo que faz com que a sociedade tenha uma falsa sensação de liberdade e por outro lado careça de estudo crítico (percebam a péssima qualidade das Universidades), profundidade e aplicação efetiva da inteligência para o bem comum. O que tem predominado é a esperteza, em torno de uma mercado movido pelo fascínio da revolução tecnocientífica, que fez da tecnologia, das telecomunicações o domínio da política e de uma poderosa força de persuasão da sociedade mundial por cliches, repetições globalizadas e como consequência a despolitização generalizada. 
 
Zizek e outros querem ser protagonistas, aparentam e se autoproclamam donos de uma "nova dialética, de um novo marxismo", mas padecem na critica infundada fazendo projeção de uma imagem cultural emergente fundida em uma visão quimérica a que oferece o sonho bom ou a uma imaginação exaltada refletida no espelho. Oswaldo Giacoía Jr. ajuda a esclarecer essa postura: "justamente ai se sacraliza o profano e aparece o fundamentalismo, no nosso caso, drasticamente sob a forma do hedonismo que atravessa uma sociedade de consumo ininterruptamente reposta por uma necessidade de mais consumo e entretenimento e diversão". E nada mais são, Zizek & Cia, do que niilistas, mas, não biliosos agarrados aos valores falecidos, o que há é uma tentativa de escapar do niilismo, uma tentativa de transformar os valores peremptos em novos valores. Mas eles se perdem na própria ideologia neoliberal, prestem atenção "neo", com a intenção de inovar a imaginação política contemporânea, Zizek em seu livro, "Primeiro como tragédia, depois como farsa":

  A compreensão acertada da existência: “da possibilidade real de que a principal vítima da crise em andamento não seja o capitalismo, mas a própria esquerda, na medida em que sua incapacidade de apresentar uma alternativa global viável tornou-se novamente visível a todos”. Outra questão a ser salientado no livro, a proposta de recuperação da “ideia do comunismo”. Como se não fosse mais possível olhar para trás e, levando em conta os fracassos, pensar em maneiras novas de recuperar tais momentos nos quais o tempo para e as possibilidades de metamorfose do humano são múltiplas. Como se não pudéssemos colocar a questão: não é necessário, muitas vezes, que uma ideia fracasse inicialmente para que possa ser recuperada em outro patamar e, enfim, realizar suas potencialidades? Quantas vezes, por exemplo, o republicanismo precisou fracassar para se impor como horizonte fundamental de nossas formas de vida? A pergunta que Žižek quer colocar é: não seria o mesmo com a “ideia do comunismo”? (do texto de Vladimir Safatle)

Apresentando suas ideias, desta maneira, parece que Zizek não ganharia credibilidade pelos caminhos do mundo, por parte da mídia, da direita, dos oportunistas, dos apartidários, apolíticos e dos intitulados pensadores contemporâneos, descompromissados com o passado histórico, que segundo eles, o deixaram no seu devido lugar, arrancando as raízes da dialética e a colocando na lata de lixo do fim da história. Estes são os iluminados que se consideram “edificadores das novas estruturas” contemporâneas. Por isso, o Sr. Zizek, desfruta de grande inserção e popularidade.

A questão levantada por ele está correta, o problema é que ao mesmo tempo faz o caminho inverso: Zizek, faz uma crítica contundente, e nada construtiva, aos processos políticos desencadeados na América Latina, primeiro com Cuba e sua revolução que se mantém em plena globalização em andamento, apesar da queda da URSS, depois a Revolução Bolivariana, na Venezuela, Bolívia, Equador. Quando diz que a esquerda é principal vítima da crise do capitalismo, nega toda e qualquer possibilidade de resistência e a possibilidade de reorganização da esquerda, por consequência, dá grande credibilidade as manifestações denominadas primaveras Árabes e recentemente a do Brasil, de repercussões e futuro duvidosos. Ele, a principio, se mantém coerente dá respaldo a questões indefinidas e apócrifas, a saber, estanca a possibilidade da via revolucionária abrindo brecha para uma concepção que procura desqualificar esses movimentos de esquerda na América Latina, que acontecem por dentro da globalização. 
 
Por essas motivações Noam Chomsky, acertadamente, o ataca com veemência, apresentando que a teoria do Sr. Zizek é falsa, não merece confiança e credibilidade. Portanto, a afirmação do linguista, de que não há nenhuma possibilidade de encontrar em todo o trabalho do filosofo Esloveno alguns princípios a partir do qual você pode deduzir conclusões e proposições empiricamente testáveis, é pertinente.

4 comentários:

  1. Bom texto Runildo.

    Gostaria também de assinalar os descompromisso de Zizek em relação a atuação política.Seus posicionamentos são característicos de um acadêmico, enquanto precisamos de opiniões políticas e contundentes, assim como ações.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele levanta algumas questões importantes mas sua premissas relacionadas de forma equivocada as categorias relacionado ao mal, bem estilo de Ana Arent e a do Estado totalitário, que vem do fascismo que o liberalismo, onde não tem as classes sociais, partindo para uma sociedade de indivíduos totais, ou seja, e concordo com o Manrangoni, há um liberalismo total. Essa é a face do Zizek

      Excluir
  2. ....obrigado Runildo......por me esclarecer.....nunca li Zizek...., obrigado por me poupar....não vou nem perder o meu tempo....., se Avran....não gosta....eu também não vou gostar......muito obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente temos que ler o Zizek, tem muita influência pós-moderna.

      Excluir

Por que Zurdo?

O nome do blog foi inspirado no filme Zurdo de Carlos Salcés, uma película mexicana extraordinária.


Zurdo em espanhol que dizer: esquerda, mão esquerda.
E este blog significa uma postura alternativa as oficiais, as institucionais. Aqui postaremos diversos assuntos como política, cultura, história, filosofia, humor... relacionadas a realidades sem tergiversações como é costume na mídia tradicional.
Teremos uma postura radical diante dos fatos procurando estimular o pensamento crítico. Além da opinião, elabora-se a realidade desvendando os verdadeiros interesses que estão em disputa na sociedade.

Vos abraço com todo o fervor revolucionário

Raoul José Pinto



ZZ - ESTUDAR SEMPRE

  • A Condição Pós-Moderna - DAVID HARVEY
  • A Condição Pós-Moderna - Jean-François Lyotard
  • A era do capital - HOBSBAWM, E. J
  • Antonio Gramsci – vida e obra de um comunista revolucionário
  • Apuntes Criticos A La Economia Politica - Ernesto Che Guevara
  • As armas de ontem, por Max Marambio,
  • BOLÍVIA jakaskiwa - Mariléia M. Leal Caruso e Raimundo C. Caruso
  • Cultura de Consumo e Pós-Modernismo - Mike Featherstone
  • Dissidentes ou mercenários? Objetivo: liquidar a Revolução Cubana - Hernando Calvo Ospina e Katlijn Declercq
  • Ensaios sobre consciência e emancipação - Mauro Iasi
  • Esquerdas e Esquerdismo - Da Primeira Internacional a Porto Alegre - Octavio Rodríguez Araujo
  • Fenomenologia do Espírito. Autor:. Georg Wilhelm Friedrich Hegel
  • Fidel Castro: biografia a duas vozes - Ignacio Ramonet
  • Haciendo posible lo imposible — La Izquierda en el umbral del siglo XXI - Marta Harnecker
  • Hegemonias e Emancipações no século XXI - Emir Sader Ana Esther Ceceña Jaime Caycedo Jaime Estay Berenice Ramírez Armando Bartra Raúl Ornelas José María Gómez Edgardo Lande
  • HISTÓRIA COMO HISTÓRIA DA LIBERDADE - Benedetto Croce
  • Individualismo e Cultura - Gilberto Velho
  • Lênin e a Revolução, por Jean Salem
  • O Anti-Édipo — Capitalismo e Esquizofrenia Gilles Deleuze Félix Guattari
  • O Demônio da Teoria: Literatura e Senso Comum - Antoine Compagnon
  • O Marxismo de Che e o Socialismo no Século XXI - Carlos Tablada
  • O MST e a Constituição. Um sujeito histórico na luta pela reforma agrária no Brasil - Delze dos Santos Laureano
  • Os 10 Dias Que Abalaram o Mundo - JOHN REED
  • Para Ler O Pato Donald - Ariel Dorfman - Armand Mattelart.
  • Pós-Modernismo - A Lógica Cultural do Capitalismo Tardio - Frederic Jameson
  • Questões territoriais na América Latina - Amalia Inés Geraiges de Lemos, Mónica Arroyo e María Laura Silveira
  • Simulacro e Poder - uma análise da mídia, de Marilena Chauí (Editora Perseu Abramo, 142 páginas)
  • Soberania e autodeterminação – a luta na ONU. Discursos históricos - Che, Allende, Arafat e Chávez
  • Um homem, um povo - Marta Harnecker

zz - Estudar Sempre/CLÁSSICOS DA HISTÓRIA, FILOSOFIA E ECONOMIA POLÍTICA

  • A Doença Infantil do Esquerdismo no Comunismo - Lênin
  • A História me absolverá - Fidel Castro Ruz
  • A ideologia alemã - Karl Marx e Friedrich Engels
  • A República 'Comunista' Cristã dos Guaranis (1610-1768) - Clóvis Lugon
  • A Revolução antes da Revolução. As guerras camponesas na Alemanha. Revolução e contra-revolução na Alemanha - Friedrich Engels
  • A Revolução antes da Revolução. As lutas de classes na França - de 1848 a 1850. O 18 Brumário de Luis Bonaparte. A Guerra Civil na França - Karl Marx
  • A Revolução Burguesa no Brasil - Florestan Fernandes
  • A Revolução Proletária e o Renegado Kautsky - Lênin
  • A sagrada família - Karl Marx e Friedrich Engels
  • Antígona, de Sófocles
  • As tarefas revolucionárias da juventude - Lenin, Fidel e Frei Betto
  • As três fontes - V. I. Lenin
  • CASA-GRANDE & senzala - Gilberto Freyre
  • Crítica Eurocomunismo - Ernest Mandel
  • Dialética do Concreto - KOSIK, Karel
  • Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico - Friedrich Engels
  • Do sonho às coisas - José Carlos Mariátegui
  • Ensaios Sobre a Revolução Chilena - Manuel Castells, Ruy Mauro Marini e/ou Carlos altamiro
  • Estratégia Operária e Neocapitalismo - André Gorz
  • Eurocomunismo e Estado - Santiago Carrillo
  • Fenomenologia da Percepção - MERLEAU-PONTY, Maurice
  • História do socialismo e das lutas sociais - Max Beer
  • Manifesto do Partido Comunista - Karl Marx e Friedrich Engels
  • MANUAL DE ESTRATÉGIA SUBVERSIVA - Vo Nguyen Giap
  • MANUAL DE MARXISMO-LENINISMO - OTTO KUUSINEN
  • Manuscritos econômico filosóficos - MARX, Karl
  • Mensagem do Comitê Central à Liga dosComunistas - Karl Marx e Friedrich Engels
  • Minima Moralia - Theodor Wiesengrund Adorno
  • O Ano I da Revolução Russa - Victor Serge
  • O Caminho do Poder - Karl Kautsky
  • O Marxismo e o Estado - Norberto Bobbio e outros
  • O Que Todo Revolucionário Deve Saber Sobre a Repressão - Victo Serge
  • Orestéia, de Ésquilo
  • Os irredutíveis - Daniel Bensaïd
  • Que Fazer? - Lênin
  • Raízes do Brasil - Sérgio Buarque de Holanda
  • Reforma ou Revolução - Rosa Luxemburgo
  • Revolução Mexicana - antecedentes, desenvolvimento, conseqüências - Rodolfo Bórquez Bustos, Rafael Alarcón Medina, Marco Antonio Basilio Loza
  • Revolução Russa - L. Trotsky
  • Sete ensaios de interpretação da realidade peruana - José Carlos Mariátegui/ Editora Expressão Popular
  • Sobre a Ditadura do Proletariado - Étienne Balibar
  • Sobre a evolução do conceito de campesinato - Eduardo Sevilla Guzmán e Manuel González de Molina

ZZ - Estudar Sempre/LITERATURA

  • 1984 - George Orwell
  • A Casa dos Espíritos, de Isabel Allende
  • A Espera dos Bárbaros - J.M. Coetzee
  • A hora da estrela - Clarice Lispector
  • A Leste do Éden - John Steinbeck,
  • A Mãe, MÁXIMO GORKI
  • A Peste - Albert Camus
  • A Revolução do Bichos - George Orwell
  • Admirável Mundo Novo - ALDOUS HUXLEY
  • Ainda é Tempo de Viver - Roger Garaud
  • Aleph - Jorge Luis Borges
  • As cartas do Pe. Antônio Veira
  • As Minhas Universidades, MÁXIMO GORKI
  • Assim foi temperado o aço - Nikolai Ostrovski
  • Cem anos de solidão - Gabriel García Márquez
  • Contos - Jack London
  • Crime e castigo, de Fiódor Dostoiévski
  • Desonra, de John Maxwell Coetzee
  • Desça Moisés ( WILLIAM FAULKNER)
  • Don Quixote de la Mancha - Miguel de Cervantes
  • Dona flor e seus dois maridos, de Jorge Amado
  • Ensaio sobre a Cegueira - José Saramago
  • Ensaio sobre a lucidez, de José Saramago
  • Fausto - JOHANN WOLFGANG GOETHE
  • Ficções - Jorge Luis Borges
  • Guerra e Paz - LEON TOLSTOI
  • Incidente em Antares, de Érico Veríssimo
  • Memórias do Cárcere - Graciliano Ramos
  • O Alienista - Machado de Assis
  • O amor nos tempos do cólera - Gabriel García Márquez
  • O Contrato de Casamento, de Honoré de Balzac
  • O Estrangeiro - Albert Camus
  • O homem revoltado - Albert Camus
  • O jogo da Amarelinha – Júlio Cortazar
  • O livro de Areia – Jorge Luis Borges
  • O mercador de Veneza, de William Shakespeare
  • O mito de Sísifo, de Albert Camus
  • O Nome da Rosa - Umberto Eco
  • O Processo - Franz Kafka
  • O Príncipe de Nicolau Maquiavel
  • O Senhor das Moscas, WILLIAM GOLDING
  • O Som e a Fúria (WILLIAM FAULKNER)
  • O ULTIMO LEITOR - PIGLIA, RICARDO
  • Oliver Twist, de Charles Dickens
  • Os Invencidos, WILLIAM FAULKNER
  • Os Miseravéis - Victor Hugo
  • Os Prêmios – Júlio Cortazar
  • OS TRABALHADORES DO MAR - Vitor Hugo
  • Por Quem os Sinos Dobram - ERNEST HEMINGWAY
  • São Bernardo - Graciliano Ramos
  • Vidas secas - Graciliano Ramos
  • VINHAS DA IRA, (JOHN STEINBECK)

ZZ - Estudar Sempre/LITERATURA GUERRILHEIRA

  • A Guerra de Guerrilhas - Comandante Che Guevara
  • A montanha é algo mais que uma imensa estepe verde - Omar Cabezas
  • Da guerrilha ao socialismo – a Revolução Cubana - Florestan Fernandes
  • EZLN – Passos de uma rebeldia - Emilio Gennari
  • Imagens da revolução – documentos políticos das organizações clandestinas de esquerda dos anos 1961-1971; Daniel Aarão Reis Filho e Jair Ferreira de Sá
  • O Diário do Che na Bolívia
  • PODER E CONTRAPODER NA AMÉRICA LATINA Autor: FLORESTAN FERNANDES
  • Rebelde – testemunho de um combatente - Fernando Vecino Alegret

ZZ- Estudar Sempre /GEOGRAFIA EM MOVIMENTO

  • Abordagens e concepções de território - Marcos Aurélio Saquet
  • Campesinato e territórios em disputa - Eliane Tomiasi Paulino, João Edmilson Fabrini (organizadores)
  • Cidade e Campo - relações e contradições entre urbano e rural - Maria Encarnação Beltrão Sposito e Arthur Magon Whitacker (orgs)
  • Cidades Médias - produção do espaço urbano e regional - Eliseu Savério Sposito, M. Encarnação Beltrão Sposito, Oscar Sobarzo (orgs)
  • Cidades Médias: espaços em transição - Maria Encarnação Beltrão Spósito (org.)
  • Geografia Agrária - teoria e poder - Bernardo Mançano Fernandes, Marta Inez Medeiros Marques, Júlio César Suzuki (orgs.)
  • Geomorfologia - aplicações e metodologias - João Osvaldo Rodrigues Nunes e Paulo César Rocha
  • Indústria, ordenamento do território e transportes - a contribuição de André Fischer. Organizadores: Olga Lúcia Castreghini de Freitas Firkowski e Eliseu Savério Spósito
  • Questões territoriais na América Latina - Amalia Inés Geraiges de Lemos, Mónica Arroyo e María Laura Silveira

KARL MARX

Loading...

LENIN

Loading...

5 HERÓIS CUBANOS

Loading...

COMANDANTE FIDEL CASTRO

Loading...

COMANDANTE CHE GUEVARA

Loading...

ALEIDA GUEVARA

Loading...

Cmte. RAÚL REYES

Loading...

Cmte. Manuel Marulanda Vélez -Tirofijo

Loading...

VENEZUELA - HUGO CHAVEZ

Loading...

A REVOLUÇÃO NÃO SERÁ TELEVISIONADA

Loading...

BOLÍVIA - EVO MORALES

Loading...

PRÉ-SOCRÁTICOS

Loading...

SOCIALISMO

Loading...

EQUADOR - RAFAEL CORREA

Loading...

FLORESTAN FERNANDES

Loading...

ANTONIO GRAMSCI

Loading...

PAULO FREIRE

Loading...

PABLO NERUDA

Loading...

JULIO CORTÁZAR

Loading...

JORGE LUIS BORGES

Loading...