sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Esta crise exprime os limites históricos do capitalismo


por François Chesnais

Os resultados da sondagem são importantes. À vista do que se passou nos últimos dez dias, a percentagem de respostas que traduzem um desafio para com o capitalismo ou a vontade de dele sair talvez fosse ainda mais elevada. Ali sem dúvida entraram vários elementos: uma grande indignação quanto à facilidade com a qual os governo encontram somas imensas para ajudar os bancos, uma grande preocupação para os próximos meses quanto aos despedimentos que prosseguem e o recomeço de uma reflexão sobre a natureza do capitalismo e a necessidade de não aceitar que este sistema seja "o horizonte inultrapassável da humanidade".

Como responder a isto? Há que começar por esta última dimensão. Toda crise muito grande, e entrámos numa crise desta ordem, exprime "os limites históricos do capitalismo". É aí que os assalariados, cuja maioria não leu Marx, tomam consciência. Os limites estão contidos nas relações sociais de produção fundadas na propriedade privada dos meios de produção e na valorização do capital-dinheiro. Devido a estas relações, o movimento de valorização do capital e da sua reprodução infindável são o motor e a finalidade da produção. No sistema capitalista, recorda Marx, "a produção é uma produção para o capital" e não para a maioria da sociedade, pois "a conservação e a valorização do capital-valor repousam sobre a expropriação e o empobrecimento dos produtores".

A superprodução de mercadorias, enquanto milhões de pessoas estão na pobreza mesmo nos países mais ricos, é uma decorrência deste facto, que ainda se agravou no quadro da liberalização e da mundialização do capital efectuadas desde há quarenta anos. A queda do investimento, bem como a baixa da taxa, mas também da massa dos lucros apesar da super-exploração dos assalariados, vão a par com a insuficiência de poder de compra popular. Foi daí que vieram as crises que marcaram a história do capitalismo. Aquela que começou em Agosto de 2007 e que, desde meados de Setembro, experimenta uma fase de agravamento agudo, será tanto mais forte porque explode depois de capacidades de produção imensas, inconsideradas, terem sido criadas na Ásia (a Coreia já não pode mais fazer funcionar plenamente as suas) e depois de os Estados Unidos tem recorrido à criação, numa escala que se demonstra demencial, de meios de crédito para estender artificialmente a procura, por meio dos cartões de crédito e da extensão do crédito hipotecário que o capital teria desejado, tal como as guerras de G.W. Bush, "sem limites".

A tomada de consciência da gravidade das questões ecológicas é também uma das causas desta renovação da reflexão crítica sobre a natureza do capitalismo. Lançado num processo de valorização sem fim, de produção pela produção, o capital é devorador de recursos não ou muito lentamente renováveis, destruidor do ambiente, e, tomado como um todo, perfeitamente incapaz de por em acção as medidas necessárias à amenização do reaquecimento climático [1] . Os assalariados e os jovens sentem que vivem uma crise sistémica, na qual a crise financeira é simplesmente o primeiro episódio e certamente não o aspecto mais importante.

Como se poderia responder a isso? Actuando de modo, para seguir Marx mais uma vez, a que os meios de produção se tornem "meios para dar forma ao processo da vida em benefício da sociedade dos produtores". Isto implica uma mudança na propriedade dos meios de produção, mas sobretudo algo de bem mais importante, a saber: que os assalariados se tornem, de modo organizado e com plena consciência, "produtores associados". Ele já estão devido à divisão do trabalho entre indústrias e no interior mesmo de cada local de produção, mas eles não estão para si mesmos, eles estão para o capital, que toma incessantemente decisões que os afectam (ver os despedimentos de Sandouville). Tornando-se "produtores associados" no sentido pleno da expressão, os trabalhadores poderiam estabelecer, como diz Marx, "racionalidade e controlar seus intercâmbios de matérias com a natureza"; poderiam organizar a economia e toda a vida social "nas condições mais dignas e mais conformes à natureza humana".

NACIONALIZAÇÃO INTEGRAL DO SISTEMA BANCÁRIO

O desafio da crise, que não está senão no seu princípio, é o domínio sobre os meios que servem para produzir as riquezas, portanto sobre as decisões respeitantes ao que deve ser produzido, para quem e como. Existem reivindicações e formas de acção susceptíveis de abrir o caminho para uma saída social positiva. Os governos vêm em socorro dos bancos pondo à sua disposição fundos empenhados sobre os impostos futuros. Num número crescente de casos, eles são obrigados a recapitalizá-los adquirindo uma parte do seu capital. O termo "nacionalização" foi utilizado. Ele é totalmente abusivo. Os governos correm em socorro do capital financeiro num jogo em que a socialização das perdas segue-se a uma fase sem precedentes de privatização dos lucros. A primeira reivindicação colectiva imediata é a da nacionalização integral do sistema bancário. O controle do financiamento do investimento permitiria aos assalariados da Europa dar uma resposta simultânea ao emprego e às necessidades sociais, por programas pan-europeus de desenvolvimento dos serviços públicos, das energias renováveis, dos novos materiais de construção. O assalariados podem lutar por estes objectivos em França e encorajar os dos outros países da Europa a fazerem o mesmo.

Para além dos discursos políticos calmantes, todos os comissários europeus, todos os grandes banqueiros, têm sido perfeitamente claros. Trata-se de permitir ao sistema que continuem tal qual ele é. O núcleo duro do neoliberalismo (a livre circulação dos capitais, a colocação dos trabalhadores em concorrência generalizada mediante a deslocalização da produção e a sub-contratação, a privatização e a mercantilização dos serviços colectivos) não deve ser atingido. É este o sentido da mensagem do patrão da Renault. Uma outra reivindicação conjunta é portanto a da proibição dos despedimentos e a travagem completa de todas as medidas em curso para o desmantelamento da saúde, destruição dos Correios efectuada dia após dia antes da privatização propriamente dita, etc, etc. Aqui as reivindicações podem ser apoiadas por acções de auto-defesa dos assalariados e dos cidadãos, tanto nos locais de trabalho como nas localidades, nos hospitais, transportes, escolas e colégios. Por trás dos belos discursos dos responsáveis políticos está o objectivo de fazer com que os assalariados suportem o peso da crise, tanto pelo desemprego como pelos impostos. Não há senão a luta dos trabalhadores para que seja possível dar um basta e começa a concretizar a ideia de que "o capitalismo não ganhou", que ele pode combatido enquanto tal.
NT:
[1] Um falso problema. O autor foi influenciado pela propaganda aquecimentista do IPCC e pela desinformação jornalística. Não há aquecimento global e, mais provavelmente, o mundo está a entrar numa fase de arrefecimento global. Ver artigo do grande climatologista Marcel Leroux . Ver também o blog Mitos climáticos .

O original encontra-se em http://www.france.attac.org/spip.php?article9195

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .

2 comentários:

  1. Prezado companheiro,
    primeiramente queria lhe parabenizar pelo seu blog e dizer que a
    afinidade entre nossos pensamentos me inspirou a mandar esta mensagem.
    Meu nome é Pedro, sou do PCB e participo do Comitê "O Petróleo tem que
    ser nosso!" do RS.
    Nosso Comitê é suprapartidário, e aberto a todos os membros
    da sociedade e tem como metas: a reestatização do Petróleo, o fim da
    ANP, o fim dos leilões do nosso petróelo e gás e a efetiva conversão
    dos benefícios que o Pré-sal venha trazer, para os brasileiros.
    Estamos nos reunindo faz três meses, mas não conseguimos ainda
    expandir e divulgar o Comitê da maneira desejada.
    Baseado nisso, criei um blog com alguns textos informativos sobre a
    questão do Petróleo brasileiro que tem este endereço
    http://comitepetroleors.blogspot.com. Pretendemos expandir nossa luta
    para todo país,
    e como seu blog tem bastante influência, peço para que divulgue a
    nossa luta que esperamos
    que se torne uma causa nacional. Desde já agradeço!

    Um abraço,
    Pedro!

    ResponderExcluir
  2. Meu nome é Alex Primo e sou professor do programa de pós-graduação em Comunicação e Informação da UFRGS. Estou realizando uma pesquisa sobre blogs de Porto Alegre. Gostaria muito de poder contar com sua presença em uma entrevista em grupo que realizarei na Faculdade de Comunicação da UFRGS na próxima quinta-feira, 4 de dezembro, às 19h. Posso contar com sua participação? Por favor responda para limc arroba ufrgs.br


    Abraços,

    Alex Primo
    Professor PPGCOM/UFRGS
    - Blog: http://alexprimo.com
    - Livro: http://www.ufrgs.br/limc/livroimc/
    - Laboratório de Interação Mediada por Computador: http://www.ufrgs.br/limc

    ResponderExcluir

Por que Zurdo?

O nome do blog foi inspirado no filme Zurdo de Carlos Salcés, uma película mexicana extraordinária.


Zurdo em espanhol que dizer: esquerda, mão esquerda.
E este blog significa uma postura alternativa as oficiais, as institucionais. Aqui postaremos diversos assuntos como política, cultura, história, filosofia, humor... relacionadas a realidades sem tergiversações como é costume na mídia tradicional.
Teremos uma postura radical diante dos fatos procurando estimular o pensamento crítico. Além da opinião, elabora-se a realidade desvendando os verdadeiros interesses que estão em disputa na sociedade.

Vos abraço com todo o fervor revolucionário

Raoul José Pinto



ZZ - ESTUDAR SEMPRE

  • A Condição Pós-Moderna - DAVID HARVEY
  • A Condição Pós-Moderna - Jean-François Lyotard
  • A era do capital - HOBSBAWM, E. J
  • Antonio Gramsci – vida e obra de um comunista revolucionário
  • Apuntes Criticos A La Economia Politica - Ernesto Che Guevara
  • As armas de ontem, por Max Marambio,
  • BOLÍVIA jakaskiwa - Mariléia M. Leal Caruso e Raimundo C. Caruso
  • Cultura de Consumo e Pós-Modernismo - Mike Featherstone
  • Dissidentes ou mercenários? Objetivo: liquidar a Revolução Cubana - Hernando Calvo Ospina e Katlijn Declercq
  • Ensaios sobre consciência e emancipação - Mauro Iasi
  • Esquerdas e Esquerdismo - Da Primeira Internacional a Porto Alegre - Octavio Rodríguez Araujo
  • Fenomenologia do Espírito. Autor:. Georg Wilhelm Friedrich Hegel
  • Fidel Castro: biografia a duas vozes - Ignacio Ramonet
  • Haciendo posible lo imposible — La Izquierda en el umbral del siglo XXI - Marta Harnecker
  • Hegemonias e Emancipações no século XXI - Emir Sader Ana Esther Ceceña Jaime Caycedo Jaime Estay Berenice Ramírez Armando Bartra Raúl Ornelas José María Gómez Edgardo Lande
  • HISTÓRIA COMO HISTÓRIA DA LIBERDADE - Benedetto Croce
  • Individualismo e Cultura - Gilberto Velho
  • Lênin e a Revolução, por Jean Salem
  • O Anti-Édipo — Capitalismo e Esquizofrenia Gilles Deleuze Félix Guattari
  • O Demônio da Teoria: Literatura e Senso Comum - Antoine Compagnon
  • O Marxismo de Che e o Socialismo no Século XXI - Carlos Tablada
  • O MST e a Constituição. Um sujeito histórico na luta pela reforma agrária no Brasil - Delze dos Santos Laureano
  • Os 10 Dias Que Abalaram o Mundo - JOHN REED
  • Para Ler O Pato Donald - Ariel Dorfman - Armand Mattelart.
  • Pós-Modernismo - A Lógica Cultural do Capitalismo Tardio - Frederic Jameson
  • Questões territoriais na América Latina - Amalia Inés Geraiges de Lemos, Mónica Arroyo e María Laura Silveira
  • Simulacro e Poder - uma análise da mídia, de Marilena Chauí (Editora Perseu Abramo, 142 páginas)
  • Soberania e autodeterminação – a luta na ONU. Discursos históricos - Che, Allende, Arafat e Chávez
  • Um homem, um povo - Marta Harnecker

zz - Estudar Sempre/CLÁSSICOS DA HISTÓRIA, FILOSOFIA E ECONOMIA POLÍTICA

  • A Doença Infantil do Esquerdismo no Comunismo - Lênin
  • A História me absolverá - Fidel Castro Ruz
  • A ideologia alemã - Karl Marx e Friedrich Engels
  • A República 'Comunista' Cristã dos Guaranis (1610-1768) - Clóvis Lugon
  • A Revolução antes da Revolução. As guerras camponesas na Alemanha. Revolução e contra-revolução na Alemanha - Friedrich Engels
  • A Revolução antes da Revolução. As lutas de classes na França - de 1848 a 1850. O 18 Brumário de Luis Bonaparte. A Guerra Civil na França - Karl Marx
  • A Revolução Burguesa no Brasil - Florestan Fernandes
  • A Revolução Proletária e o Renegado Kautsky - Lênin
  • A sagrada família - Karl Marx e Friedrich Engels
  • Antígona, de Sófocles
  • As tarefas revolucionárias da juventude - Lenin, Fidel e Frei Betto
  • As três fontes - V. I. Lenin
  • CASA-GRANDE & senzala - Gilberto Freyre
  • Crítica Eurocomunismo - Ernest Mandel
  • Dialética do Concreto - KOSIK, Karel
  • Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico - Friedrich Engels
  • Do sonho às coisas - José Carlos Mariátegui
  • Ensaios Sobre a Revolução Chilena - Manuel Castells, Ruy Mauro Marini e/ou Carlos altamiro
  • Estratégia Operária e Neocapitalismo - André Gorz
  • Eurocomunismo e Estado - Santiago Carrillo
  • Fenomenologia da Percepção - MERLEAU-PONTY, Maurice
  • História do socialismo e das lutas sociais - Max Beer
  • Manifesto do Partido Comunista - Karl Marx e Friedrich Engels
  • MANUAL DE ESTRATÉGIA SUBVERSIVA - Vo Nguyen Giap
  • MANUAL DE MARXISMO-LENINISMO - OTTO KUUSINEN
  • Manuscritos econômico filosóficos - MARX, Karl
  • Mensagem do Comitê Central à Liga dosComunistas - Karl Marx e Friedrich Engels
  • Minima Moralia - Theodor Wiesengrund Adorno
  • O Ano I da Revolução Russa - Victor Serge
  • O Caminho do Poder - Karl Kautsky
  • O Marxismo e o Estado - Norberto Bobbio e outros
  • O Que Todo Revolucionário Deve Saber Sobre a Repressão - Victo Serge
  • Orestéia, de Ésquilo
  • Os irredutíveis - Daniel Bensaïd
  • Que Fazer? - Lênin
  • Raízes do Brasil - Sérgio Buarque de Holanda
  • Reforma ou Revolução - Rosa Luxemburgo
  • Revolução Mexicana - antecedentes, desenvolvimento, conseqüências - Rodolfo Bórquez Bustos, Rafael Alarcón Medina, Marco Antonio Basilio Loza
  • Revolução Russa - L. Trotsky
  • Sete ensaios de interpretação da realidade peruana - José Carlos Mariátegui/ Editora Expressão Popular
  • Sobre a Ditadura do Proletariado - Étienne Balibar
  • Sobre a evolução do conceito de campesinato - Eduardo Sevilla Guzmán e Manuel González de Molina

ZZ - Estudar Sempre/LITERATURA

  • 1984 - George Orwell
  • A Casa dos Espíritos, de Isabel Allende
  • A Espera dos Bárbaros - J.M. Coetzee
  • A hora da estrela - Clarice Lispector
  • A Leste do Éden - John Steinbeck,
  • A Mãe, MÁXIMO GORKI
  • A Peste - Albert Camus
  • A Revolução do Bichos - George Orwell
  • Admirável Mundo Novo - ALDOUS HUXLEY
  • Ainda é Tempo de Viver - Roger Garaud
  • Aleph - Jorge Luis Borges
  • As cartas do Pe. Antônio Veira
  • As Minhas Universidades, MÁXIMO GORKI
  • Assim foi temperado o aço - Nikolai Ostrovski
  • Cem anos de solidão - Gabriel García Márquez
  • Contos - Jack London
  • Crime e castigo, de Fiódor Dostoiévski
  • Desonra, de John Maxwell Coetzee
  • Desça Moisés ( WILLIAM FAULKNER)
  • Don Quixote de la Mancha - Miguel de Cervantes
  • Dona flor e seus dois maridos, de Jorge Amado
  • Ensaio sobre a Cegueira - José Saramago
  • Ensaio sobre a lucidez, de José Saramago
  • Fausto - JOHANN WOLFGANG GOETHE
  • Ficções - Jorge Luis Borges
  • Guerra e Paz - LEON TOLSTOI
  • Incidente em Antares, de Érico Veríssimo
  • Memórias do Cárcere - Graciliano Ramos
  • O Alienista - Machado de Assis
  • O amor nos tempos do cólera - Gabriel García Márquez
  • O Contrato de Casamento, de Honoré de Balzac
  • O Estrangeiro - Albert Camus
  • O homem revoltado - Albert Camus
  • O jogo da Amarelinha – Júlio Cortazar
  • O livro de Areia – Jorge Luis Borges
  • O mercador de Veneza, de William Shakespeare
  • O mito de Sísifo, de Albert Camus
  • O Nome da Rosa - Umberto Eco
  • O Processo - Franz Kafka
  • O Príncipe de Nicolau Maquiavel
  • O Senhor das Moscas, WILLIAM GOLDING
  • O Som e a Fúria (WILLIAM FAULKNER)
  • O ULTIMO LEITOR - PIGLIA, RICARDO
  • Oliver Twist, de Charles Dickens
  • Os Invencidos, WILLIAM FAULKNER
  • Os Miseravéis - Victor Hugo
  • Os Prêmios – Júlio Cortazar
  • OS TRABALHADORES DO MAR - Vitor Hugo
  • Por Quem os Sinos Dobram - ERNEST HEMINGWAY
  • São Bernardo - Graciliano Ramos
  • Vidas secas - Graciliano Ramos
  • VINHAS DA IRA, (JOHN STEINBECK)

ZZ - Estudar Sempre/LITERATURA GUERRILHEIRA

  • A Guerra de Guerrilhas - Comandante Che Guevara
  • A montanha é algo mais que uma imensa estepe verde - Omar Cabezas
  • Da guerrilha ao socialismo – a Revolução Cubana - Florestan Fernandes
  • EZLN – Passos de uma rebeldia - Emilio Gennari
  • Imagens da revolução – documentos políticos das organizações clandestinas de esquerda dos anos 1961-1971; Daniel Aarão Reis Filho e Jair Ferreira de Sá
  • O Diário do Che na Bolívia
  • PODER E CONTRAPODER NA AMÉRICA LATINA Autor: FLORESTAN FERNANDES
  • Rebelde – testemunho de um combatente - Fernando Vecino Alegret

ZZ- Estudar Sempre /GEOGRAFIA EM MOVIMENTO

  • Abordagens e concepções de território - Marcos Aurélio Saquet
  • Campesinato e territórios em disputa - Eliane Tomiasi Paulino, João Edmilson Fabrini (organizadores)
  • Cidade e Campo - relações e contradições entre urbano e rural - Maria Encarnação Beltrão Sposito e Arthur Magon Whitacker (orgs)
  • Cidades Médias - produção do espaço urbano e regional - Eliseu Savério Sposito, M. Encarnação Beltrão Sposito, Oscar Sobarzo (orgs)
  • Cidades Médias: espaços em transição - Maria Encarnação Beltrão Spósito (org.)
  • Geografia Agrária - teoria e poder - Bernardo Mançano Fernandes, Marta Inez Medeiros Marques, Júlio César Suzuki (orgs.)
  • Geomorfologia - aplicações e metodologias - João Osvaldo Rodrigues Nunes e Paulo César Rocha
  • Indústria, ordenamento do território e transportes - a contribuição de André Fischer. Organizadores: Olga Lúcia Castreghini de Freitas Firkowski e Eliseu Savério Spósito
  • Questões territoriais na América Latina - Amalia Inés Geraiges de Lemos, Mónica Arroyo e María Laura Silveira

KARL MARX

Loading...

LENIN

Loading...

5 HERÓIS CUBANOS

Loading...

COMANDANTE FIDEL CASTRO

Loading...

COMANDANTE CHE GUEVARA

Loading...

ALEIDA GUEVARA

Loading...

Cmte. RAÚL REYES

Loading...

Cmte. Manuel Marulanda Vélez -Tirofijo

Loading...

VENEZUELA - HUGO CHAVEZ

Loading...

A REVOLUÇÃO NÃO SERÁ TELEVISIONADA

Loading...

BOLÍVIA - EVO MORALES

Loading...

PRÉ-SOCRÁTICOS

Loading...

SOCIALISMO

Loading...

EQUADOR - RAFAEL CORREA

Loading...

FLORESTAN FERNANDES

Loading...

ANTONIO GRAMSCI

Loading...

PAULO FREIRE

Loading...

PABLO NERUDA

Loading...

JULIO CORTÁZAR

Loading...

JORGE LUIS BORGES

Loading...