segunda-feira, 28 de julho de 2008




GRISA, José Ernesto Alves

Professor Mestre em Sociologia pela UFRGS/EAFA


Escala Agrotécnica Federal de Alegrete/RS

Alunos da EAFA

Vivemos um dilema societário: o modelo produtor/destruidor de mercadorias está colocando a perspectiva de vida ambiental do planeta em risco. Ao mantermos os níveis de consumo desequilibrado, ou seja, o primeiro mundo usufruindo do excedente produzido e consumindo muito além do necessário, enquanto a miséria e a barbárie se distribuem pelo restante do globo, estamos entrando numa encruzilhada civilizatória, e o rumo de hoje é a pericidade. A lógica do capital nos leva a isso.

A agricultura subordinada à indústria constituiu, há mais de um século, e de forma mais sistêmica, nos últimos 50-60 anos, um modelo que tem raízes na reciclagem da indústria bélica do pós-guerra, assentada na química de produção de bombas, redirecionada agora para a indústria de insumos industriais para a agricultura, adubos químicos, inseticidas, herbicidas, fungicidas e todos os cidas, mais os produtos químicos veterinários. Da indústria de carros de combate de grande porte saíram as grandes máquinas agrícolas e a conseqüente implantação das monoculturas. Esta é a origem do pacote tecnológico da agricultura que se convencionou como Revolução Verde.

Para a difusão dessas tecnologias “modernas” implantam-se nos anos 50, do século passado, em nosso país, os serviços de Extensão Rural, as Escolas Agrotécnicas e houve a disseminação das Faculdades de Agronomia, formatando um técnico embasado nessa metodologia produtiva. Segundo os governantes da época, era preciso tirar o campo do atraso, coincidentemente, também nesta época, instalam-se em nosso solo as multinacionais do setor. Isso tudo é parte de um projeto de desenvolvimento dependente do capitalismo internacional, ou seja, aquilo que José Graziano da Silva conceituou como a Modernização Conservadora da Agricultura, ou seja, um desenvolvimento que conservou intacta a estrutura agrária brasileira.

Esta forma de desenvolvimento causou danos ambientais significativos (contaminação dos recursos hídricos, destruição das florestas e matas ciliares, pauperização do solos agrícolas). Ela só beneficiou um setor do agro brasileiro, os grandes produtores que podiam adquirir essas tecnologias (via crédito subsidiado) e serviu para aumentar o fosso social, pois os pequenos, abandonados de política publicas, tornaram-se mais pobres e o resultado é o imenso êxodo rural e o aumento desorganizado das áreas urbanas, ocasionando os graves problemas sociais da atualidade.

Esta agricultura não ocupa mão-de-obra intermediária dos estudos agrícolas, com a agricultura de precisão, somente os estratos acadêmicos altamente especializados encontram empregos. A mão de obra intermediária (técnicos agrícolas) tem sido contratada em substituição aos peões, historicamente relegados ao analfabetismo (principalmente na região centro-oeste do país), pois estes não decifram os códigos e os manuais informacionais necessários para acionar as máquinas agrícolas e os demais equipamentos, quase todos informatizados, já os técnicos agrícolas dominam parcialmente esta linguagem. A formação educacional tem sido para atender a empregabilidade (limitada) e não para o mundo do trabalho que requer uma dimensão de autonomia simbólica.

Este tipo de agricultura intensiva em energia e capital, segundo o Engenheiro Agrônomo Gerson Teixeira “conspira contra a nossa independência tecnológica e contra a soberania alimentar do país. Produz impactos ambientais irreversíveis, estimula a concentração de renda e da propriedade fundiária, impõe um padrão homogêneo de cultivo e de alimentação que, além de tudo, erode as diversidades biológicas e cultural brasileiras”. Embora as instituições de ensino agrícola teimem em formatar uma mão-de-obra que atenda ao agronegócio e/ou, teoricamente, que ofereça tecnologia intelectual para desenvolver o ruralismo arcaico, este não se renova tecnologicamente, a não ser consorciando-se ao agronegócio, onde entra com o fator Terra, ou seja, participa no aspecto especulativo. Já o agronegócio é um empreendimento “economizador” de mão-de-obra. Recentemente, esta agricultura iniciou uma segunda revolução verde, com a introdução e massificação das cultivares geneticamente modificadas, dos desertos verdes, sob o controle de um restrito grupo de transnacionais da química e da biotecnologia, tornando os agricultores como “tercerizados” das grandes corporações.

Existe a possibilidade de se ensinar e de se apreender uma nova agricultura, com outra base científica e tecnológica, apoiada em uma outra ética que não seja voltada somente ao mercado, mas também ao social e ao ambiental. Uma agricultura agroecológica preocupada com a segurança alimentar de nosso povo, com a produção de alimentos sadios, com a utilização dos insumos internos das propriedades, como adubação orgânica, controle biológico, diversificação e rotação de culturas, agroindústria familiar, com ocupação sustentável do solo agrícola, preservação dos recursos hídricos e dos bosques nativos, menor dependência do mercado de insumos, fundamentalmente, preocupada em proporcionar a construção do homem novo, capaz de “ver-se como parte integrante da natureza”.

Esta é uma agricultura que não requer grandes áreas, mas trabalho familiar, maior autonomia. Ela possibilita aos jovens rurais e aos técnicos agrícolas permanecerem nas suas comunidades, proporcionando uma visão mais associativa e cooperativista, permite-lhes viverem do seu trabalho, ao invés de trabalharem como empregados rurais. Para tanto, também é possível reivindicar e participar dos programas de reforma agrária.

Portanto, uma educação agrícola comprometida com o destino dos alunos quanto ao mundo trabalho, caminha para “uma compreensão mais profunda da ecologia humana, dos sistemas agrícolas, pode levar a medidas coerentes com uma agricultura realmente sustentável. Assim, a emergência da agroecologia representa um enorme salto na direção [da humanidade]. A agroecologia fornece os princípios ecológicos básicos para o estudo e tratamento de ecossistemas, tanto produtivos quanto preservadores dos recursos naturais e que sejam culturalmente sensíveis, socialmente justos e economicamente viáveis” Altieri (1987).

Como está o ensino técnico hoje, pode-se questionar para quem ele tem servido? Que tipo de profissional se está formando? Para que sociedade ele está sendo preparado?

A agricultura camponesa foi sempre estigmatizada pelos ideólogos da estratégia modernizante como atrasada, não funcional, mão-de-obra barata etc. Hoje é resgatada em todas as partes do globo pelas mais respeitáveis instituições de pesquisa como instrumento de prática agroecológica, como alternativa para uma humanidade menos poluidora. Entendo que as instituições de ensino agrícola, principalmente, de nível médio profissionalizante, estariam investindo melhor os recursos públicos se iniciassem a transição para uma agricultura mais sustentável que, certamente, capacitaria técnicos para o mundo trabalho com mais autonomia, ao invés de insistir em formatar um técnico para um campo que, estruturalmente, empregou muito pouco e hoje já não emprega mais, a não ser numa relação de baixa retribuição salarial, ou no trabalho semi-escravo da monocultura da soja transgênica.

Refeências Bibliografias:

ALTIERI, Miguel. Agroecologia – A Dinâmica Produtiva da Agricultura Sustentável – Editora da UFRGS, Porto Alegre – 2000.

GRISA, Jose Ernesto A. Os efeitos da Política Pública RS/Rural na Configuração da Identidade da Comunidade Remanescente de Quilombo do Angico, em Alegrete –Um Estudo de Caso- Dissertação de Mestrado- UFRGS, Porto Alegre- 2006

NEVES, Delma Pessanha. A diferenciação sócio-econômica do campesinato. Ciências Sociais Hoje. São Paulo: ANPOCS/Ed. Cortez, 1985: 87-132.

................ As políticas agrícolas e a construção do produtor moderno. Ciências Sociais Hoje. São Paulo: ANPOCS/Ed. Vértice, 1987: 143-177.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por que Zurdo?

O nome do blog foi inspirado no filme Zurdo de Carlos Salcés, uma película mexicana extraordinária.


Zurdo em espanhol que dizer: esquerda, mão esquerda.
E este blog significa uma postura alternativa as oficiais, as institucionais. Aqui postaremos diversos assuntos como política, cultura, história, filosofia, humor... relacionadas a realidades sem tergiversações como é costume na mídia tradicional.
Teremos uma postura radical diante dos fatos procurando estimular o pensamento crítico. Além da opinião, elabora-se a realidade desvendando os verdadeiros interesses que estão em disputa na sociedade.

Vos abraço com todo o fervor revolucionário

Raoul José Pinto



ZZ - ESTUDAR SEMPRE

  • A Condição Pós-Moderna - DAVID HARVEY
  • A Condição Pós-Moderna - Jean-François Lyotard
  • A era do capital - HOBSBAWM, E. J
  • Antonio Gramsci – vida e obra de um comunista revolucionário
  • Apuntes Criticos A La Economia Politica - Ernesto Che Guevara
  • As armas de ontem, por Max Marambio,
  • BOLÍVIA jakaskiwa - Mariléia M. Leal Caruso e Raimundo C. Caruso
  • Cultura de Consumo e Pós-Modernismo - Mike Featherstone
  • Dissidentes ou mercenários? Objetivo: liquidar a Revolução Cubana - Hernando Calvo Ospina e Katlijn Declercq
  • Ensaios sobre consciência e emancipação - Mauro Iasi
  • Esquerdas e Esquerdismo - Da Primeira Internacional a Porto Alegre - Octavio Rodríguez Araujo
  • Fenomenologia do Espírito. Autor:. Georg Wilhelm Friedrich Hegel
  • Fidel Castro: biografia a duas vozes - Ignacio Ramonet
  • Haciendo posible lo imposible — La Izquierda en el umbral del siglo XXI - Marta Harnecker
  • Hegemonias e Emancipações no século XXI - Emir Sader Ana Esther Ceceña Jaime Caycedo Jaime Estay Berenice Ramírez Armando Bartra Raúl Ornelas José María Gómez Edgardo Lande
  • HISTÓRIA COMO HISTÓRIA DA LIBERDADE - Benedetto Croce
  • Individualismo e Cultura - Gilberto Velho
  • Lênin e a Revolução, por Jean Salem
  • O Anti-Édipo — Capitalismo e Esquizofrenia Gilles Deleuze Félix Guattari
  • O Demônio da Teoria: Literatura e Senso Comum - Antoine Compagnon
  • O Marxismo de Che e o Socialismo no Século XXI - Carlos Tablada
  • O MST e a Constituição. Um sujeito histórico na luta pela reforma agrária no Brasil - Delze dos Santos Laureano
  • Os 10 Dias Que Abalaram o Mundo - JOHN REED
  • Para Ler O Pato Donald - Ariel Dorfman - Armand Mattelart.
  • Pós-Modernismo - A Lógica Cultural do Capitalismo Tardio - Frederic Jameson
  • Questões territoriais na América Latina - Amalia Inés Geraiges de Lemos, Mónica Arroyo e María Laura Silveira
  • Simulacro e Poder - uma análise da mídia, de Marilena Chauí (Editora Perseu Abramo, 142 páginas)
  • Soberania e autodeterminação – a luta na ONU. Discursos históricos - Che, Allende, Arafat e Chávez
  • Um homem, um povo - Marta Harnecker

zz - Estudar Sempre/CLÁSSICOS DA HISTÓRIA, FILOSOFIA E ECONOMIA POLÍTICA

  • A Doença Infantil do Esquerdismo no Comunismo - Lênin
  • A História me absolverá - Fidel Castro Ruz
  • A ideologia alemã - Karl Marx e Friedrich Engels
  • A República 'Comunista' Cristã dos Guaranis (1610-1768) - Clóvis Lugon
  • A Revolução antes da Revolução. As guerras camponesas na Alemanha. Revolução e contra-revolução na Alemanha - Friedrich Engels
  • A Revolução antes da Revolução. As lutas de classes na França - de 1848 a 1850. O 18 Brumário de Luis Bonaparte. A Guerra Civil na França - Karl Marx
  • A Revolução Burguesa no Brasil - Florestan Fernandes
  • A Revolução Proletária e o Renegado Kautsky - Lênin
  • A sagrada família - Karl Marx e Friedrich Engels
  • Antígona, de Sófocles
  • As tarefas revolucionárias da juventude - Lenin, Fidel e Frei Betto
  • As três fontes - V. I. Lenin
  • CASA-GRANDE & senzala - Gilberto Freyre
  • Crítica Eurocomunismo - Ernest Mandel
  • Dialética do Concreto - KOSIK, Karel
  • Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico - Friedrich Engels
  • Do sonho às coisas - José Carlos Mariátegui
  • Ensaios Sobre a Revolução Chilena - Manuel Castells, Ruy Mauro Marini e/ou Carlos altamiro
  • Estratégia Operária e Neocapitalismo - André Gorz
  • Eurocomunismo e Estado - Santiago Carrillo
  • Fenomenologia da Percepção - MERLEAU-PONTY, Maurice
  • História do socialismo e das lutas sociais - Max Beer
  • Manifesto do Partido Comunista - Karl Marx e Friedrich Engels
  • MANUAL DE ESTRATÉGIA SUBVERSIVA - Vo Nguyen Giap
  • MANUAL DE MARXISMO-LENINISMO - OTTO KUUSINEN
  • Manuscritos econômico filosóficos - MARX, Karl
  • Mensagem do Comitê Central à Liga dosComunistas - Karl Marx e Friedrich Engels
  • Minima Moralia - Theodor Wiesengrund Adorno
  • O Ano I da Revolução Russa - Victor Serge
  • O Caminho do Poder - Karl Kautsky
  • O Marxismo e o Estado - Norberto Bobbio e outros
  • O Que Todo Revolucionário Deve Saber Sobre a Repressão - Victo Serge
  • Orestéia, de Ésquilo
  • Os irredutíveis - Daniel Bensaïd
  • Que Fazer? - Lênin
  • Raízes do Brasil - Sérgio Buarque de Holanda
  • Reforma ou Revolução - Rosa Luxemburgo
  • Revolução Mexicana - antecedentes, desenvolvimento, conseqüências - Rodolfo Bórquez Bustos, Rafael Alarcón Medina, Marco Antonio Basilio Loza
  • Revolução Russa - L. Trotsky
  • Sete ensaios de interpretação da realidade peruana - José Carlos Mariátegui/ Editora Expressão Popular
  • Sobre a Ditadura do Proletariado - Étienne Balibar
  • Sobre a evolução do conceito de campesinato - Eduardo Sevilla Guzmán e Manuel González de Molina

ZZ - Estudar Sempre/LITERATURA

  • 1984 - George Orwell
  • A Casa dos Espíritos, de Isabel Allende
  • A Espera dos Bárbaros - J.M. Coetzee
  • A hora da estrela - Clarice Lispector
  • A Leste do Éden - John Steinbeck,
  • A Mãe, MÁXIMO GORKI
  • A Peste - Albert Camus
  • A Revolução do Bichos - George Orwell
  • Admirável Mundo Novo - ALDOUS HUXLEY
  • Ainda é Tempo de Viver - Roger Garaud
  • Aleph - Jorge Luis Borges
  • As cartas do Pe. Antônio Veira
  • As Minhas Universidades, MÁXIMO GORKI
  • Assim foi temperado o aço - Nikolai Ostrovski
  • Cem anos de solidão - Gabriel García Márquez
  • Contos - Jack London
  • Crime e castigo, de Fiódor Dostoiévski
  • Desonra, de John Maxwell Coetzee
  • Desça Moisés ( WILLIAM FAULKNER)
  • Don Quixote de la Mancha - Miguel de Cervantes
  • Dona flor e seus dois maridos, de Jorge Amado
  • Ensaio sobre a Cegueira - José Saramago
  • Ensaio sobre a lucidez, de José Saramago
  • Fausto - JOHANN WOLFGANG GOETHE
  • Ficções - Jorge Luis Borges
  • Guerra e Paz - LEON TOLSTOI
  • Incidente em Antares, de Érico Veríssimo
  • Memórias do Cárcere - Graciliano Ramos
  • O Alienista - Machado de Assis
  • O amor nos tempos do cólera - Gabriel García Márquez
  • O Contrato de Casamento, de Honoré de Balzac
  • O Estrangeiro - Albert Camus
  • O homem revoltado - Albert Camus
  • O jogo da Amarelinha – Júlio Cortazar
  • O livro de Areia – Jorge Luis Borges
  • O mercador de Veneza, de William Shakespeare
  • O mito de Sísifo, de Albert Camus
  • O Nome da Rosa - Umberto Eco
  • O Processo - Franz Kafka
  • O Príncipe de Nicolau Maquiavel
  • O Senhor das Moscas, WILLIAM GOLDING
  • O Som e a Fúria (WILLIAM FAULKNER)
  • O ULTIMO LEITOR - PIGLIA, RICARDO
  • Oliver Twist, de Charles Dickens
  • Os Invencidos, WILLIAM FAULKNER
  • Os Miseravéis - Victor Hugo
  • Os Prêmios – Júlio Cortazar
  • OS TRABALHADORES DO MAR - Vitor Hugo
  • Por Quem os Sinos Dobram - ERNEST HEMINGWAY
  • São Bernardo - Graciliano Ramos
  • Vidas secas - Graciliano Ramos
  • VINHAS DA IRA, (JOHN STEINBECK)

ZZ - Estudar Sempre/LITERATURA GUERRILHEIRA

  • A Guerra de Guerrilhas - Comandante Che Guevara
  • A montanha é algo mais que uma imensa estepe verde - Omar Cabezas
  • Da guerrilha ao socialismo – a Revolução Cubana - Florestan Fernandes
  • EZLN – Passos de uma rebeldia - Emilio Gennari
  • Imagens da revolução – documentos políticos das organizações clandestinas de esquerda dos anos 1961-1971; Daniel Aarão Reis Filho e Jair Ferreira de Sá
  • O Diário do Che na Bolívia
  • PODER E CONTRAPODER NA AMÉRICA LATINA Autor: FLORESTAN FERNANDES
  • Rebelde – testemunho de um combatente - Fernando Vecino Alegret

ZZ- Estudar Sempre /GEOGRAFIA EM MOVIMENTO

  • Abordagens e concepções de território - Marcos Aurélio Saquet
  • Campesinato e territórios em disputa - Eliane Tomiasi Paulino, João Edmilson Fabrini (organizadores)
  • Cidade e Campo - relações e contradições entre urbano e rural - Maria Encarnação Beltrão Sposito e Arthur Magon Whitacker (orgs)
  • Cidades Médias - produção do espaço urbano e regional - Eliseu Savério Sposito, M. Encarnação Beltrão Sposito, Oscar Sobarzo (orgs)
  • Cidades Médias: espaços em transição - Maria Encarnação Beltrão Spósito (org.)
  • Geografia Agrária - teoria e poder - Bernardo Mançano Fernandes, Marta Inez Medeiros Marques, Júlio César Suzuki (orgs.)
  • Geomorfologia - aplicações e metodologias - João Osvaldo Rodrigues Nunes e Paulo César Rocha
  • Indústria, ordenamento do território e transportes - a contribuição de André Fischer. Organizadores: Olga Lúcia Castreghini de Freitas Firkowski e Eliseu Savério Spósito
  • Questões territoriais na América Latina - Amalia Inés Geraiges de Lemos, Mónica Arroyo e María Laura Silveira

KARL MARX

Loading...

LENIN

Loading...

5 HERÓIS CUBANOS

Loading...

COMANDANTE FIDEL CASTRO

Loading...

COMANDANTE CHE GUEVARA

Loading...

ALEIDA GUEVARA

Loading...

Cmte. RAÚL REYES

Loading...

Cmte. Manuel Marulanda Vélez -Tirofijo

Loading...

VENEZUELA - HUGO CHAVEZ

Loading...

A REVOLUÇÃO NÃO SERÁ TELEVISIONADA

Loading...

BOLÍVIA - EVO MORALES

Loading...

PRÉ-SOCRÁTICOS

Loading...

SOCIALISMO

Loading...

EQUADOR - RAFAEL CORREA

Loading...

FLORESTAN FERNANDES

Loading...

ANTONIO GRAMSCI

Loading...

PAULO FREIRE

Loading...

PABLO NERUDA

Loading...

JULIO CORTÁZAR

Loading...

JORGE LUIS BORGES

Loading...